Do começo…

Em uma época em que os gurus e especialistas autointitulados surgem às pencas, confesso que me causa medo parecer pretensioso. Para evitar esse mal entendido, digo de antemão: não sou lá essas coisas.

Qual o seu nível?

Nunca fui de chamar atenção. Nem bonito, nem feio, nem alto, nem baixo, nem inteligente, nem burro, nem gordo, nem magro. Um belo de um espécime mediano.

Daí comecei a estudar publicidade…

Faço questão de frisar o mediano, por causa do preconceito com essa palavra. Eu sei o que os “empreendedores” têm dito - dia após dia - sobre ser o melhor. Mas sejamos sinceros: é possível que todos sejam Os melhores?

Se todos fossem os melhores, o conceito de melhor se nivelaria e todos passariam a ser iguais.

Não entenda que defendo o conformismo e a preguiça, apenas acredito que esse discurso de ser incansavelmente o melhor o tempo todo apenas frustra e atrapalha o desenvolvimento de pessoas que poderiam ser as melhores de fato, caso respeitassem seu próprio ritmo.

E se por um lado existem os frustrados com o desempenho mais lento, por outro existem os que se enxergam através de uma lupa, sempre se vendo muito maiores que são. Talvez porque a autoestima não permita fazer uma análise mais precisa.

A questão aqui é uma: não dá para ser o maior antes de ter sido pequeno e médio.

Respeite cada fase e aprenda o seu próprio ritmo. O mesmo cara que te vende desempenho e melhorias, demorou anos para chegar onde está. Se ele surgiu do nada, desconfie.

Caso você esteja na faculdade ou começando a estudar determinado campo (seja qual for a área) procure um estágio, encontre mentores (eles também são network), aprenda o básico, engula sapos. Trabalhar ao lado de profissionais com mais experiência te mostrará em que nível você está e quantos degraus faltam para o próximo patamar.

E de maneira alguma, saia por aí oferecendo algo que você não esteja apto a oferecer. Além de acabar atrapalhando seu próprio mercado, muito provavelmente comprometerá seu critério de qualidade.

Como eu disse no início, não sou lá essas coisas. Escolhi focar em uma vida menos complicada, mas acredito que tenho clareza, e clareza trás algo imprescindível pra vida: bom senso.

Tenha bom senso!