Touradas em Madri

Finalmente a Conmebol decidiu onde será disputada a segunda partida da final da Libertadores da América 2018: no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri.

Santiago Bernabéu é a casa do Real Madrid, atual tricampeão europeu, e que pode enfrentar Boca Juniors ou River Plate no Mundial de Clubes, que acontece nas próximas semanas.

Parece piada, mas a confederação sulamericana realmente levou o jogo para fora da Argentina, e aproveitou para levar a outro continente. Convenhamos que é de um simbolismo absurdo que a final de uma competição chamada “Libertadores da América” ocorra na Espanha, um dos países que colonizou fazendo o que quis na América do Sul.

De certa forma, a Conmebol antecipa a ideia da final em campo neutro, já prevista para a próxima edição, de maneira “extraordinária” usando os argumentos da excepcionalidade da situação, garantias de segurança que a cidade pode proporcionar, neutralidade do campo, entre outras coisas. Porém, nessa partida torcedores de River Plate e Boca Juniors poderão comparecer ao estádio, diferentemente se tudo ocorresse como o planejado, como não houve torcedores do River Plate na Bombonera no último dia 11, e como não haveriam torcedores do Boca no Monumental de Nuñez no último dia 24. É mais uma prova da falência do modelo sulamericano de torcida única. Outra ironia da escolha é que há grandes chances do campeão da Libertadores enfrentar o próprio Real Madrid no Mundial de Clubes, numa eventual final ou disputa de terceiro lugar.

No final das contas, a Conmebol assume sua falência quanto organização ao transformar a “maior final de todos os tempos” no fiasco que está sendo.