Dias baseados em analogias

Acervo Pessoal

Me disseram uma vez que a definição de quem somos se dá nas reações, não nos acontecimentos que geram cada uma delas.

Ouvi dizer também que sou uma pessoa de mente firme, mas de coração mole. E que simplesmente não tenho como mudar algo que faz parte de um traço forte da minha personalidade.

Falaram que viver é isso mesmo: passear consciente numa montanha russa de extremos, segurando a náusea e curtindo a adrenalina nos pontos mais velozes,

e nesse exercício cotidiano de ser quem sou, vou montando um mosaico exposto de clichês e frases prontas, tentando encontrar sentido e encaixe pra cada situação,

mesmo que sem mais tanto entusiasmo.

Assim como se constrói um corpo, tempero não tem tanta importância quanto os substratos necessários. Eu to precisando é de mais proteína e carboidrato que de páprica e cominho.

Construção. Reconstrução.

Que artista admira uma obra ainda não materializada? As expectativas são grandes, o caminho à direita não é mais alternativo,

É o principal.

A linearidade do tempo é condição de não retorno.

Tudo isso é afago de mim, pra mim mesmo.

Terapia de um só.

Sigo no processo de autorresponsabilidade e aceitação,

sigo escrevendo em verbetes de duros significados,

admitindo o novo,

abraçando a resiliência,

observando meu próprio caminhar vacilante,

dia após dia,

Sem cessar.

Afinal,

Quem mais enxugaria suas lágrimas quando ninguém está por perto?

Like what you read? Give Lucas Torres a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.