O que aprendi andando de bicicleta pela primeira vez aos 27 anos

EBA — Aprender a pedalar do Bike Anjo

Consegui aprender a andar de bicicleta só há dois meses. O fato de eu não ter aprendido quando pequena fez com que por muitos anos eu pensasse que nunca iria saber, que isso não era pra mim. Esse assunto me deixava com um pouco de vergonha porque quando as pessoas descobriam, sempre perguntavam em um tom bastante espantado: “você-não-SABE-andar-de-BICICLETA?”. E eu logo mudava de assunto. E foi assim durante 27 anos.

No último ano, muita coisa na minha vida mudou. Meu trabalho, minha visão sobre o sucesso, meu estilo de vida e, principalmente, eu. Passei a valorizar a ideia de ter uma nova solução de mobilidade que deixasse menos resíduos, que fosse mais barata e que ainda, de quebra, queimasse algumas calorias.

É. Não vou mentir. O processo de aprendizado foi longo. Comecei a ir ao parque todo fim de semana para alugar uma bicicleta e testar dar umas pedaladas, mas eu sempre me desequilibrava e sentia a necessidade de colocar o pé no chão. Tinha um medo enorme de cair. E detestava quando sentia que estava sendo observada. Eu me pressionava porque queria “aprender logo”. Resultado? Eu não conseguia ficar nem uma hora com a bicicleta porque ficava irritada, cansada e desistia.

Depois de uns 3 meses nesse loop, fui pesquisar sobre o assunto e encontrei um programa chamado Bike Anjo, uma rede de ciclistas experientes que se voluntariam para ajudar outras pessoas a transformarem suas vidas através da bicicleta, inclusive ensinando adultos a andarem de bike. Fui a um encontro no Largo da Batata e conheci o anjo Rafael Mattos, que foi super paciente em me ensinar e apoiar (literalmente) durante todo o período. Depois de algumas horas, as pessoas foram conseguindo pedalar sozinhas. Eu não. Pensei que ia entrar na estatística dos 5% que não conseguia aprender no mesmo dia.

Até que quando já estavam começando a guardar as bikes, eu consegui encontrar equilíbrio durante uns 5 segundos e pedalei em círculos. Fiquei extasiada! Não parava de rir.

Eu feliz da vida.

Desde então, continuo indo ao parque regularmente e estou melhorando aos poucos. Agora já consigo controlar a direção para onde estou indo (ufa!) e fazer curvas. Ainda não consigo começar a pedalar em subidas, mas isso é o próximo desafio.

Aprender a andar de bicicleta foi um caso de superação, um capítulo de sucesso na minha história. E ele me trouxe muitos aprendizados. Vou compartilhar os mais importantes com você.

#1 o principal obstáculo para a superação é o medo

É estranho admitir que muitas vezes o que separa a gente do sucesso é a crença limitante de que não conseguiremos. O medo de não dar certo, de fracassar. Aprendi que, no meu caso, cair fazia parte do processo de andar de bike. Fracassar e errar, fazem parte da história de sucesso.

Eu tinha tanto medo de cair que mal me desequilibrava um pouco, já colocava o pé no chão. E era isso que me impedia de começar a andar. Um pouco irônico, não?

#2 buscar apoio faz a diferença

Às vezes nos sentimos sozinhos nesse mundo. Pensamos que só nós estamos em uma determinada situação e que temos que resolver tudo sozinhos. Isso não é verdade. Reconhecer que existem outras pessoas com mais experiência que podem ajudar também contribui para o sucesso.

#3 persistir é fundamental

Até conseguirmos superar um desafio, passamos por perrengues, desconfortos, incômodos e emoções negativas. Mas se ele for realmente importante, temos que persistir.

No dia que fui aprender com o Bike Anjo, estava frio e chuviscava. Estava ficando cansada. Quis desistir várias vezes, mas persisti. E isso fez toda a diferença. A aula acaba às 12hs. Eu só consegui me equilibrar por 5 segundos às 12h35. Imagina se eu tivesse ido embora às 12hs?

#4 o aprendizado é um processo contínuo

Pensava que quando conseguisse me equilibrar na bike eu iria sair pedalando, assim, esplêndida, mas não funciona assim. Passei por várias fases: a de não conseguir controlar minha direção, de não saber fazer curvas, de não contornar obstáculos etc. A superação vem aos pouquinhos. Vai melhorando uma coisa de cada vez, até que a gente nem se lembra como ficamos tão bons nisso.

#5 aprenda do jeito que se sentir confortável

O momento do aprendizado é seu. A velocidade é sua. Você tem que se sentir confortável com o processo e mais ninguém. Quando eu andava no parque, como tinha medo de cair, colocava o banco super baixo. As pessoas falavam que isso dificultava e que eu não conseguiria aprender assim. Que nada, eu é que não ia conseguir aprender achando que não poderia colocar o pé no chão.

#6 nossos momentos de superação nos definem tanto quanto os de fracasso

Muitas vezes ficamos nos martirizando por um fracasso que tivemos e esquecemos de pensar: e as histórias de sucesso? Elas também nos definem. Nós somos o todo, o bom e o ruim. O que nos difere é o que prevalece nas nossas ações e intenções.

#7 comemore e agradeça

Depois de superar, temos que reconhecer o que fizemos de bom, o que poderíamos ter feito melhor e, acima de tudo, comemorar. Sozinho ou com amigos, não importa. O importante é ter um momento de agradecer a si mesmo e aos envolvidos o trabalho que foi feito.

Aliás, queria fazer um agradecimento especial ao anjo Rafael Mattos. Sem ele, essa história não existiria.

Ajudou? Sentiu falta de alguma coisa? Comente aqui, me conta. Quem curtiu clica no ❤.


Trabalho ajudando as pessoas a transformarem suas vidas e carreiras. Me conheça melhor pelo facebook ou instagram. Se preferir, me mande um e-mail em lucia.chuan@gmail.com.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Lúcia Chuan Shen Lorenz’s story.