Minha querida Wellington

Wellington, como já mencionei anteriormente, entrou sem dúvida no ranking das melhores cidades que já conheci e, mais especialmente, para o ranking de cidades onde eu me imagino morando um dia. São rankings diferentes, pois algumas cidades, apesar de divertidas e deslumbrantes, não combinariam com meu estilo de vida. Wellington, entretanto, com suas distâncias “caminhaveis”, transporte público eficiente, mistura de cidade grande com praia, e uma capital especial. Wellington e famosa por seus deliciosos cafés, cervejas artesanais, vida noturna e bares e restaurantes alternativos. Além disso, a vida cultural é intensa. Wellington não é, entretanto, uma cidade somente cultural, acadêmica, séria. Tem uma cultura de ficar ao ar livre muito forte. Seu porto é propício e utilizado para banho, a arte acontece tanto na rua quanto no museu, você vira um canto e dá de cara com o parlamento, vira para o lado e vê jovens fazendo competição de salto ornamental na água. Em Wellington você tem praia, mas tambem tem uma indústria criativa, especialmente cinematográfica, de peso. As pessoas andam estilosas, ao mesmo tempo em que andam de pés descalços. Uma capital pequena, com apenas 400 mil habitantes, cheia de parques, praias, livrarias e teatros, onde as pessoas são como habitantes das grandes cidades europeias, mas com o estilo laid back e sem julgamentos que é tão típico dos kiwi.

A escola onde estudei, The Campbell Institute era tambem uma mistura disso. Os alunos tinham liberdade e responsabilidades sobre suas costas, nossa aula, com o incrível Lance, voava, pois ele era muito divertido, ao mesmo tempo em que aprendíamos muito e éramos cobrados constantemente. Assim sentimos que a escola, que tem mais ligações com universidades, e cujos alunos tem um perfil mais acadêmico e sério, reflete bem a cidade onde ela está localizada. É uma escola para os ambiciosos, mas os ambiciosos que sabem dar valor a uma prainha no fim de semana, assim como Wellington, uma mistura desses dois perfis.

Como a escola tem parceria com diversas instituições de ensino superior, tive a oportunidade de visitar a Victoria University of Wellington, onde conversei com a diretora do escritório internacional, e recebi um tour do campus. O campus onde estive, o de Kellburn, era uma subida BONITA para as pernas sob o imperdoável sol do meio-dia. Chegando lá, quase morrendo, fui muito bem recebida e, como eu adoro o ambiente universitário, deu uma vontade tão grande de estudar lá, ou de ficar por ali por mais tempo. A universidade se estende por toda Wellington, com faculdades e campi espalhados pela cidade, mas o campus de Kellburn, que fica em cima do morro, fornece uma vista de tirar o fôlego da cidade. Da biblioteca toda envidraçada podemos ver o mar, e todo o esplendor dessa capital pequeninha e divertida. Os varios cafés que ficam dentro da universidade todos usam diferentes grãos de café, e competem por isso, mas o clima é muito relax, ao mesmo tempo em que nos sentimos mais inteligentes só de entrar lá dentro. A estrutura da universidade é fantástica, e como é a universidade forte de Wellington, tem parceria com várias instituições e empresas, o que faz com que, em uma cidade como Wellington, os alunos da universidade tenham boas opções de emprego e seus diplomas são multidisciplinares e bem conceituados.

Então, essa é minha Wellington, uma cidade onde pude curtir uma preguicinha sob o sol, mas onde tambem pude viver um pouco da vida cultural que prezo tanto, e nao senti em nenhum momento que o meu perfil mais voltado para a literatura e vida cultural seria desvalorizado por lá. Lembra como eu disse que conhecemos familiares e amigos nossos em vários lugares do mundo? Pois é, com cidades para mim é o mesmo, tem aquelas que a gente reconhece, que sabemos que será uma de nossas cidades do mundo, cidades que batem conosco, onde nos veríamos morando. Com Wellington adicionei outra a minha lista, que espero que continue crescendo. Talvez, querida Wellington, nos vejamos novamente, ou um dia poderei de fato te chamar de minha. Ate lá, um muito obrigada por me fazer me sentir em casa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.