Ninguém me disse

Ninguém me disse

Da dor

Da saudade

Do trauma

Do grande cansaço

Da alma

Alguém me disse

Do tempo

Que cura

Mas eu não quero que cure

Eu quero que dure

O tempo que quiser durar

Ninguém me disse

Que a dor da saudade não tem hora nem lugar

Alguém me disse

Que essa dor e a tristeza demoram a passar

Ninguém me disse

Que o fim do físico

Traz o fim do cheiro, traz o fim do tempero

Que a vida tem

Que a vida tinha

Eu mesma disse

Que a culpa vem

Que as flores perdem o aroma que tem

As flores que botei nos teus vasos, mãe

Despedaçam lá também

Alguém me disse

Não, alguém escreveu

E parafraseio

Que infância é ponto cardeal eternamente possivel

Ninguem me disse

Que a mãe, esse ponto

Não cardeal

E eternamente impossivel

Não se acha com mapa

Se acha com choro

Ou com poesia

Ninguém me disse

Like what you read? Give Lucia Collischonn a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.