Youtubers: os ídolos da nova geração


Trabalho com comunicação há 17 anos. Sempre fui assessora de imprensa, mas de uns tempos para cá, como todo profissional de comunicação que se preze, resolvi entender mais de Social Media e ampliar minha visão.

Daquelas coisas que acontecem na vida da gente, acabou que entrei nesse universo dos youtubers. Um ex-cliente de RP me fez um convite e…

Pensamento: Vai lá, Luciana! Você não queria algo novo? Bom, não tão novo assim, mas, vamos lá!

E eis que há seis meses lido com esse universo que até então não tinha parado para avaliar.

Meu sobrinho de dez anos já estava bem mais integrado a esse mundo paralelo do que eu em meus 37, claro!

Tia, assiste esse canal aqui.

Bom, fui conhecendo, estou conhecendo ainda e fiquei fascinada com esse universo, mais precisamente com o fascínio (sim, vou repetir aqui fascínio, não encontro nenhuma outra palavra para explicar…) que esses youtubers exercem sobre a nova geração.

No Brasil, temos algo em torno de 170 mil canais, desses cerca de 200 dito relevantes, ou seja, com números de visualizações mais expressivos. E talvez uns 50 Top, com números de inscritos astronômicos (caso vocês não saibam, é possível inscrever-se no canal e receber o link dos vídeos novos em seu e-mail).

Esses youtubers levam seus fãs à loucura! São seguidos nas ruas, reconhecidos em qualquer lugar (inclusive em viagens internacionais), se lançam livros, abarrotam livrarias em tardes de autógrafos, reúnem multidões em eventos da área, como o YouTube Fan Fest (busquem lá, vale a pena ver a dimensão da coisa).

Acho que o grande barato dos youtubers é essa sensação de proximidade. Os fãs seguem o dia a dia deles nas redes sociais, comentam os vídeos e muitas vezes recebem a resposta, o que é praticamente impossível para as celebridades “tradicionais”, os “artistas de TV”.

Eles vão inspirando comportamentos – o que pode ser bom ou ruim, dependendo de quem se segue – e parecem que cumprem aquele papel de irmão (ou irmã) mais velho, sabe?

Ah, o fulano faz tal coisa, deve ser legal também.

Ou de comadre, amiga! Sempre leio os comentários dos vídeos e é impressionante.

Fulana, seu cabelo ficou maravilhoso, assim.
Adorei seu esmalte, onde encontrou?
Curta sua viagem, mas conte tudo pra gente!

Proximidade, admiração, liberdade criativa… Sem dúvida essa liberdade criativa é um dos componentes que conquistaram a nova geração. Os canais do YouTube falam sobre qualquer coisa que você possa imaginar. Maquiagem, viagem, moda, namoro, culinária, entretenimento de modo geral. Ainda que você não seja da “nova geração” (como eu não sou), certamente vai encontrar algum canal que te interesse. Eu que curto cozinhar, acompanho nomes como Torrada Torrada, Dani Noce, Tastemade Brasil… Também curto cinema e séries e vira e mexe conecto no Pipocando. Sou espírita e encontrei. recentemente um canal que consegue de forma genial, ao meu ver, unir espiritismo e humor: o canal Amigos da Luz. Clica lá e assiste qualquer vídeo, ainda que você não seja espírita. Garanto que vai se divertir.


Assim, youtubers e fãs vão seguindo suas vidas e os youtubers vão tentando continuar seus trabalhos e atendendo todos os fãs na medida do possível.

Também por conta do meu trabalho, tenho conhecido alguns desses profissionais pessoalmente (é assim que os vejo, como profissionais) e visitado suas casas (ahhhh, gritariam os fãs), e escutado suas opiniões.

Até o momento, me deparei com pessoas maravilhosas, que fazem belos trabalhos de conteúdo, que realmente se preocupam com a qualidade do material que colocam no ar e que se assustam com o tamanho da fama.

Eu só me dei conta da dimensão da coisa quando na tarde de autógrafos do lança mento do meu livro vi que a fila dava a volta no quarteirão da livraria, disse um.

Preocupam-se em lidar com seus fãs da forma mais saudável possível, ainda não compreendem bem esse afã dos fãs, vão lidando com julgamentos, cobranças, intromissões (mas você se expõe, colega, vai atirar um, certeza…) e fofocas, como as grandes celebridades. Mas eles são grandes celebridades também, não? Talvez não com salários astronômicos, mas são as celebridades da nova geração.

E tem outra coisa. A nova geração tem pressa e não gosta de esperar por nada. Então, aonde estiver, se estiver com internet, só clicar e assistir o que quiser. Na hora. O YouTube também proporciona isso.

Pensando bem, também sou assim. Não tenho muita paciência para esperar. Acredito que cada vez mais somos assim, certo? Vide a expansão de serviços como Netflix ou o Vod da TV por assinatura.

Novos tempos, novas tecnologias, formatos, conteúdos, apostas. Se você ainda não conhece um canal do YouTube que te interesse, não sabe o que está perdendo! Claro que você não precisa virar tiete (ops, olha a idade!) fã de ninguém e sair pedindo autógrafo ou chorando, mas terá acesso a novas experiências que podem ser bem enriquecedoras, você pode se surpreender. E as marcas, já sacaram esse filão? Ah… Isso merece outro post.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luciana Santos Tardioli’s story.