O trabalho matou meu interesse pela vida

Luri
Luri
Apr 16, 2019 · 3 min read
Ilustração: Bruno Mangyoku

Hoje é terça-feira. O óbvio diz que ontem foi segunda. E, desculpem minha necessidade de mencionar o óbvio, mas é que a obviedade dessa afirmação é essencial. Ontem foi segunda. E, nessa segunda, eu gostaria de ter morrido.

De alguma forma, é isso que vem acontecendo. Segunda após segunda, acordo pela manhã e meu celular está repleto de mensagens. O dia já começou para alguns dos meus colegas de trabalho. Eles, tão envolvidos com a própria missão, nem se apercebem que há algum tempo, cortaram até as cordialidades mínimas. Não sobrou espaço nem para um bom dia, pra perguntar como estamos, para uma conversinha mole, um gif engraçado, uma piadinha besta. Nada.

A primeira mensagem é para avisar sobre alguns pormenores da reunião que está chegando. Em seguida, uma chuva de cobranças e novas demandas. Algumas até previstas, mas o fato de ter isso arremessado sobre mim gera uma sensação de ser absolutamente insuficiente. Não sou capaz, jamais, de atender o que esse trabalho e essas pessoas me pedem.

A empresa onde trabalho tem um discurso de flexibilidade, de liberdade e leveza. Mas, na prática, há tanto a ser feito o tempo inteiro que eu jamais arriscaria tirar um dia ou uma tarde que seja pra usufruir dos tais benefícios que a empresa oferece. Tudo é tão urgente e necessário que, mesmo nos momentos nos quais me vi à beira de um colapso nervoso, preferi ter de lidar com o esgotamento a lidar com a culpa de respirar e depois ter de enfrentar o acúmulo de tarefas.

Assim, quando decido focar e produzir, muitas vezes me perco em procrastinação. Minha mente se tornou incapaz de produzir, pulando de aba em aba, de tarefa em tarefa. Não é raro me pegar olhando para o computador, alternando freneticamente entre páginas ou fixado em uma tela em branco sem que nada saísse. Já chorei assim.

Quando temos folga, aos finais de semana, passo os dias em estado de alerta, pensando no que deixou de ser feito e em como vou chegar segunda-feira e acordar com as mil mensagens de cobrança antes mesmo que o horário de trabalho comece.

Eu não consigo mais escrever. Não tenho vontade. Cansei de girar essa roda que não vai chegar a lugar algum.

Sinto que sequei. Parece que acabou.

Eu sentia muito prazer estudando, lendo, convertendo o que li em material para outras pessoas participarem comigo de uma conversa, mas agora, parece que a minha pilha está eternamente fraca e mesmo as tarefas mais simples me demandam um esforço gigantesco.

Sou músico também e a música é o que mais me dá alegria no mundo. Porém, escrever música se tornou uma tarefa impossível. Sempre me perco em tantos autojulgamentos, tenho tanta dificuldade em soltar algo que é difícil descrever, mesmo pra alguém que se autointitula escritor.

O que sobrou tem um brilho fraco, prestes a desaparecer. Ainda funcional, capaz de fazer o que precisa ser feito. Pra todos os efeitos, está tudo certo.

Mas a vontade de viver mesmo… essa foi já tem um tempo.

Hoje é terça. Meu trabalho matou meu interesse pela vida.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade