Pare de se esforçar demais: lembre de pegar leve (e se divertir)

Não trabalhe demais, economize energia e respire para produzir melhor.

Há uns dez bons anos ou mais uma das minhas maiores paixões é fazer música, ainda que o caminho não tenha sido tão fácil quanto eu havia programado.

Já contei em mais de uma ocasião sobre como eu me autossabotava e impedia o meu trabalho de fluir, até que em um determinado momento, resolvi colocar a mão na massa e efetivamente produzir meu primeiro EP.

Venho trabalhando há cerca de um ano nisso, algumas vezes com mais energia, outras vezes mandando mal, refazendo bastante coisa do zero e até quase jogando tudo pro alto e procurando um emprego numa pizzaria.

Por isso, queria contar um causo de uma situação do tipo.

Numa dessas vezes, eu estava trabalhando na parte de arranjo de uma das músicas e não conseguia deixar de pensar que algo soava horrível. Como eu tinha determinado, naquele ponto, que trabalharia todos os dias por cerca de duas horas, pelo menos, eu não desistia.

Ainda assim, cada vez que colocava o projeto pra tocar, minha impressão era de que eu estava prestes a torturar alguém, de tão ruim que estava a música. Sempre parecia que estava tudo fora do lugar. Letra, arranjo, afinação… nada funcionava pra mim.

Então, eu me afastei, desisti. Pensei seriamente em jogar a música fora e fazer outra coisa, mesmo tendo trabalhado um mês inteiro nela.

Assim, abri outro projeto e segui a vida, com outra música da fila. Mais ou menos duas semanas depois, reabri o projeto e… estava tudo lá! Eu ouvi as outras que eu tinha na fila junto com ela e, de repente, ela soou “no lugar”, tudo bem, do jeito que tinha que ser.

E isso soou um sino em mim. Era óbvio, eu estava cansado, tinha ouvido a mesma coisa um milhão de vezes, meus ouvidos estavam cansados. Minha capacidade de avaliação estava comprometida. Na verdade, não tinha nada que eu pudesse fazer pela música, ela estava pronta, não cabia mais a mim.

Isso já aconteceu comigo outras vezes. Várias vezes eu estive tentando escrever um texto e, de repente, precisava parar, continuar em outro momento, por estar com a mente cansada.

Às vezes, o melhor que você pode fazer é dar um tempo, se distanciar, deixar pra lá um pouco.

Isso é um esforço necessário para parar de sofrer com algo que deveria ser gostoso, em primeiro lugar.

Quando estamos ali, empenhados, esquecemos que a graça de fazer algo só por gostar e querer colocar a criação no mundo é justamente se deliciar com o processo. Em especial se isso é algo que você quer fazer e não algo que é obrigado por que precisa pagar as contas.

Então, lembre-se: se isso é algo que você ama, trate como tal. Às vezes, não adianta forçar nem tentar entender, achar argumentos lógicos para vencer o obstáculo, seja ele qual for. Às vezes, o que você precisa é ir pra casa, descansar, deixar os ânimos abaixarem e se lembrar por que aquilo é tão bom.

O resto, acaba acontecendo naturalmente.

Então, aqui vão algumas dicas simples pra que você e eu possamos dar esse tempo e nos reconciliarmos com as nossas atividades.

  1. Crie margem de segurança: com a música eu não trabalho com dianteira, já que, pelo menos por enquanto, não tenho prazos. Mas com a escrita, sim. Então, tente manter, na medida do possível, alguma folga para poder falhar, seja adiantando textos ou sentando pra escrever alguns dias antes do deadline.
  2. Tenha um acervo de ideias: seja um caderninho, uma planilha, uma nota no Evernote ou Google Docs, anote tudo o que pensar com potencial de gerar um texto, mesmo que não pretenda desenvolver imediatamente. Só é importante juntar o mínimo de informação para seguir de onde parou (um link, uma imagem, um vídeo ou um parágrafo descrevendo o que pensou).
  3. Colecione referências: isso eu aprendi nos tempos de designer. Todo bom designer tem uma coleção de referências, com imagens, vídeos, filmes, quadros, enfim, tudo que possa inspirá-lo. Adotei a mesma prática pra tudo o que faço. Tenho uma playlist no Spotify repleta de referências musicais em estética, estilo, acordes, melodias, letras… enfim, tudo o que acho interessante. O mesmo para a escrita. Isso não quer dizer que eu vá copiar o que está lá, mas certamente, em algum momento, aquilo ali pode gerar uma fagulha que vai se transformar em outra coisa.
  4. Lembre-se de parar de trabalhar: é importantíssimo se divertir, fazer coisas porque gosta e quer, se reconectar com os amigos, com a namorada, com a família, estar presente, ouvir as histórias das pessoas com o coração. Sim, isso pode e provavelmente vai ser muito útil na hora em que você vai criar. Mas antes de mais nada, é essencial para que a sua vida seja mais leve e feliz. Afinal, sem espaço, sem respiro, sem leveza, não há criatividade que aguente.

Obrigado pela leitura!

Se esse texto ressoou em você, não esqueça de compartilhar e apertar o coração aqui embaixo. Significa um monte pra mim e faz com que o texto possa ajudar também outras pessoas. :)

Decidi criar um calendário de publicação, pra facilitar a vida de quem quiser acompanhar meus textos de perto. Toda terça-feira, um texto novo aqui no Medium.

Se você me acompanha pelo PapodeHomem, sai texto meu às quartas por lá.

Além disso, estou na fase final de produção do meu EP. Se esse texto te deixou curioso sobre minha produção musical, peço que me acompanhe pelo Facebook, Instagram ou Soundcloud. Logo dou mais notícias a esse respeito.