Espírito empírico

Penso um pouco e falo —

Tardo, mas não falho:

Por fora, o mais forte

É, por dentro, o mais fraco.

Fico r(l)ouco, não que importe,

Falta foco, não conforte —

Nunca conte com a sorte:

Faça dessa sua fonte

De desgraça, um passaporte ,

Passo-a-passo, pra que possa

Ser a ponte pra esperança —

Que devasta, quando escassa.

Amores que vêm e passam,

Memórias que me devoram

E demoram pra que me esqueça.

Demônios que me amordaçam

Enquanto danço em minha cova —

Embora isso nada resolva,

Aguardo o dia em que dissolva

E pereça, mereça ou não.

Apenas outra mera prova

De que essa (ex)tensa espera

Dispensa uma tradição.