Desenhando o problema do Brasil, ou, Por que ir nas atuais manifestações é insensato.

Eu levei bastante tempo até tomar a decisão de vir aqui escrever esse texto.

Primeiro porque acho que as idéias mais sensatas — em meio ao circo que está acontecendo no país — são jogadas ao limbo, e o esforço seria em vão.

Segundo porque grande parte da população, de tão ignorante que se tornou, sequer terá capacidade de ler todo o texto, interpretá-lo, e tentar debater sobre de uma forma coesa.

Mas enfim, eu preciso colocar pra fora.

Parte 1 — O problema

TL;DR: Não temos um político capaz de administrar o país de forma minimamente aceitável. Sem corrupção, impossível, nem no Canadá amigo.

Desde 2013, quando participei de diversas manifestações, percebi no meio delas, que esse tipo de 'carnaval', é exatamente o que situação e oposição fazem questão que continuem acontecendo, de hoje até o fim dos tempos. No mesmo ano do caos no Brasil, temos uma das fotos mais célebres de todos os tempos do país.

A comitiva Brasileira para o enterro do Nelson Mandela reunia diversas 'personalidades' da política nacional. Um atento especial ao jovem com o passado mais belo, nosso caro José Sarney.

Se você desligar a sua televisão agora e ir estudar a história desse jovem rapaz, irá encontrar o nome dele em escândalos como o atual Lava Jato, e uma dezena de outros, aqui tem uma lista interessante. Um que você só vai encontrar se tiver muita paciência é sobre o envolvimento dele, na morte de Tancredo Neves, o primeiro presidente eleito após a ditadura. Não vou entrar em detalhes porque senão terminamos o texto amanhã. Google it.

Sobre todos os outros, é só ir no google e escrever, "escândalo", mais o nobre nome do sujeito. Isso não é novidade alguma, correto?

Resumindo a história. Não há um político hoje — provavelmente quem estava em décimo lugar nas campanhas não tem rabo preso com ninguém — no país que não está envolvido em algum esquema de corrupção.

OBS: Sobre o FHC, é um pouco mais complicado encontrar coisas porque as grandes mídias não falam muito mal dele. Mas deixo aqui embaixo alguns links para provar que em matéria de roubo, ele está quase que empatado com a atual situação — ou seja, quem governa.

O Clássico: Pasta Rosa. Tido como o primeiro mensalão do país, antes do esquema do Lulinha. Leia aqui. Um oferecimento do finado Toninho Malvadeza a.ka. Antônio Carlos Magalhães e outros.

Sivam: Escândalo envolvendo mais de mais de R$ 1bi. Imagina o poder de compra disso 20 anos atrás?

Se tiver paciência, dá pra encontrar alguns outros.

Parte 2 — O conto do partido de oposição salvador

TL;DR: Aécio Neves e oposição não vão resolver nada

O que estão querendo fazer agora com os partidos de oposição, em especial, PSDB e PP — este último, mesmo na oposição, conseguiu ter a maior quantidade de parlamentares envolvidos no atual escândalo do Lava Jato, ou seja, não vem falar que tirar Dilma vai resolver alguma coisa. Foi com a entrada do PT no poder que mais de 50% da população tomou uma rasteira achando que a coisa ia melhorar. Não melhorou nem piorou, está na mesma.

Parte 3 — As atuais manifestações

TL;DR: Abra os olhos

Enquanto você está aí indo na rua defender ou atacar a situação, tanto esta quanto a oposição, em conjunto, aprovam um reajuste anual de verba de gabinete de 18%.

Se você está indo para a rua essa semana, ou irá nas próximas, tenha em mente que você está sendo ludibriado para esquecer os reais problemas do país.

O que as pessoas deveriam estar fazendo agora, nas ruas, não era atacando ou defendendo situação e oposição, e sim forçando o governo brasileiro a resolver uma série de problemas que já passaram da hora de serem resolvidos.

Parte 4 — Os reais problemas e a solução

TL;DR: Sejamos eficientes

Se o problema endêmico que temos é a corrupção, porque não atacar ela de fato. Por que ninguém propõe criminalizar desvio de verba governamental como crime inafiançável e em regime fechado? Isso é melhor do que ir para a rua 'reclamar', não?

Porque não estamos na rua lutando pela simplificação dos Impostos, outro câncer que temos no país.

Vide:

Imposto único sobre a produção acabaria com monstros tributários

Como simplificar os impostos do Brasil

Por que não estão na rua reclamando dos reajustes parlamentares que vão gastar mais de R$ 1bi no país só em 2015, vide aqui.

Se você está na rua hoje, ou esteve na última sexta, são grandes as chances de você não ter sido capaz de enxergar uma alternativa levemente interessante na última eleição:

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2014-07/eduardo-jorge-defende-desenvolvimento-sustentavel-e-reforma-politica

O programa de governo do PV prevê reforma política com a diminuição do número de parlamentares em nível federal, o fim das verbas de gabinete e de frotas de carros oficiais. Também propõe a extinção do Senado e a redução de 25% em cada bancada dos estados na Câmara. O partido quer a redução do número de ministérios para 14 e a criação dos ministérios da Amazônia e dos Direitos Humanos, Gênero, Nações Indígenas e Reparação das Sequelas da Escravidão.

E é isso que os dois lados da atual moeda querem que você continue fazendo. Esteja distraído e ignore os reais problemas que devemos enfrentar.

Não amigo, o problema não é da Dilma, nem do FHC, e também não é do Lula, e a solução não é impeachment. Sejamos racionais e façamos as coisas de uma forma um pouco melhor. Se for pra ir para a rua, que seja para resolver algo de forma efetiva, não para servir como massa de manobra de oposição que está sentindo saudades das áureas épocas de corrupção velada — beijo da Globo e da Folha, fazendo o Brasil ser o nono país com mais contas na Suíca. Oi? Corrupção? — que passamos 20 anos atrás.

Parte 5 — Não me faça perder tempo

PS: Se tiver manifestação e/ou acampamento na porta do Palácio do Planalto, Assembléia Legislativa e/ou qualquer outro símbolo tratante que temos em favor de reforma política como a sugerida pelo PV — que você provavelmente ignorou na última eleição— pode me chamar que eu faço questão de ir. Idem para reforma tributária.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luciano Sousa’s story.