INVEJA

Etimologicamente, a palavra “inveja” vem do latim invidere, significa olhar com maus olhos, projetar sobre o outro um olhar malicioso; é não-ver, não querer ver o bem do outro.

Estranho como, quando invertemos nossa posição, entendemos melhor as coisas…Criticamos menos. Quando sentimos que alguém nos inveja, sentimo-nos mal, claro, mas, mais fácil é procurarmos nao entender esta pessoa; mas, lendo este enunciado, sinto-me envergonhada de pensar que podemos — mesmo que em alguns poucos momentos, projetarmos um olhar malicioso sobre o próximo; como podemos não querer ver a vitória do nosso irmão, não reconhecermos a capacidade do outro; não encararmos nossas fraquezas e buscarmos nossa recompensa.

Devemos amar ao próximo como a nós mesmos. Não é tarefa fácil esta, de amar ao próximo da mesma forma como amamos ao nosso filho, aos nossos pais, e penso até que há graus diferentes, outras formas de amar, mas, deveríamos amar numa intensidade tal que a ninguém quiséssemos outra coisa senão o bem.

Todavia, para amarmos verdadeiramente, precisamos deixar que o Pai habite em nós, necessitamos de amor puro, de coração aberto para que nos amemos e consequentemente amemos ao próximo, mas nosso coração anda endurecido com a maldade, a crueldade. Não podemos amar o outro sem que amemos a nós mesmos.

A inveja corrói a carne, deixa-nos estáticos. Sim, por que á medida em que nos preocupamos em não ver o bem do outro, estamos deixando de fazer o bem; a nós mesmos e ao outro. Tarefa difícil esta de ser invejoso, como nos toma tempo e apodrece o espírito!

Interessante pensar que se olhássemos para aquela pessoa por quem sentimos inveja, e ao invés disto, sentíssemos estimulados a crescer, seria interessante compartilhar suas vitórias. Surpreendermo-nos com cada obstáculo vencido pelo outro. E se, verdadeiramente, sentirmos isto, esta felicidade com a gratificação do próximo, ficaríamos tão bem como quando acontece conosco. Mas, precisamos experimentar isto.. Precisamos deixar que isso flua em nós. É tão simples (apesar de nao ser fácil ser simples), torcermos, de coração, pelo nosso irmão e vermos o seu sucesso. Somente quem já experimentou sabe o significado disto. E desta experiência criamos laços cada vez mais seguros, mais sólidos com o outro. E por isto, sentimo-nos leves, sentimo-nos bem e quando estamos bem passamos isto aos outros criando um círculo de coisas boas, pessoas ao nosso redor que sentem-se queridas e nos querem bem: Eis o sentido da vida! Isto nos basta, se soubermos compreender a essência.

Nós vivemos em busca da felicidade como se em algum lugar, algum dia, finalmente a encontrássemos…Ilusão! A felicidade é o dia de hoje, é o presente. O passado..passou. O futuro, não sabemos. Então, vivamos o presente que Deus nos dá todos os dias: a felicidade de vivermos o dia de hoje. Mas, podemos escolher como receber este presente que Ele nos dá. Podemos escolher viver a vida DO outro e esperarmos que um milagre aconteça em nossas vidas; que tudo se transforme sem que precisemos fazer nada ou podemos viver a vida COM o outro. Sim, é muito gratificante vivermos a experiência do outro e dividirmos as nossas com ele. A felicidade que percebemos no nosso irmão quando algo de bom nos acontece, nos faz acreditar que precisamos ser melhores… Criemos laços de verdadeiras amizades, dia-após- dia. A vida é isto. È a troca de boas energias, de sentimento verdadeiro, é a cumplicidade das nossas amizades.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.