Mundo sem mãe

O mundo sem mãe

O mundo sem mãe

É um bloco cinza

Sem arte

Sem graça

Sem cor

Só desgraça

O mundo sem mãe

É apático

Lunático

Errático

O problema

Do mundo sem mãe

E a parte

Em que eu viraria

E diria

Que tal, mãe?

O que tu acha, mãe?

Como estou, mãe?

Como vai o mundo sem ti, mãe?

Vai bem, filha

Não te esquece das tias

E Que o sol brilha

Não esquece dos pássaros

Que na tua janela

Piam

Ainda não sei como é

Esse mundo sem mãe

Vivo no mundo da negação

Da ausência da mãe

E as vezes

A memória arrebenta

A calma do não

Com um claro e audível sim

Sim, esse teu mundo é um mundo sem mãe

Sim, esse mundo sem mãe não para

Ele gira

Ele continua

E viver nesse mundo

Cada vez mais

Sem mãe

Angustia

E agonia

Mas um dia

Talvez

Tu vai ser a mãe do mundo de alguém

E vai ouvir que a mãe está no teu mundo também

Like what you read? Give Lúcia Collischonn a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.