Precisamos falar sobre bissexualidade

E por que eles não estão confusos.

O que eu vou escrever aqui você provavelmente já leu por aí mas reforçar a ideia nunca é demais.

“Bissexuais são confusos”, levante a mão quem nunca ouviu essa afirmação. Mas vamos do princípio que me levou a escrever esse texto: estava eu em uma sala de treinamento com mais umas oito ou nove pessoas e a treinadora levantou a questão dos bissexuais, que eles ainda “estão indecisos”, “em cima do muro”, “com medo de sair do armário”, e no final perguntou se havia algum bissexual na sala se retratando dizendo que era apenas sua opinião. E todos concordaram com ela. Inclusive os gays. Eu não me pronunciei porque não queria discutir no dia, mas hoje eu quero.

Para começo de conversa eu não estou confusa e muito menos indecisa. Eu estava confusa sim quando eu descobri que também gostava de mulheres mas isso foi aos 17 anos de idade, você chegou dois anos atrasada, amiga. O ser humano é um bicho complexo e chamá-lo de confuso por gostar — sentir atração — pelos dois gêneros é ser desinformado. A comunidade LGBT está finalmente ganhando voz com passos de formiguinha e me chame de egoísta mas não quero deixar os bissexuais na sombra.

Ouve-se muito dizer que a bissexualidade é mais facilmente aceita por seu lado “hétero”, mas estão fazendo isso errado — muito errado! Um bissexual não tem um lado “homo” e um lado “hétero”, um bissexual é um bissexual, e ponto. Da mesma forma que uma pessoa não escolhe ser heterossexual, a outra não escolheu ser homossexual, e eu não escolhi ser bissexual — e se fosse questão de escolha eu sinceramente não escolheria diferente. E “a bissexualidade é mais facilmente aceita”? These are hard times for dreamers.

Mas você prefere o que?

Depois que passamos daquele primeiro ponto onde bissexuais são confusos chegamos a pergunta bônus — “Mas você prefere o que?”, e essa resposta é bem simples: pessoas. Pessoas que têm conteúdo, que sabem conversar, que trocam ideias e têm gostos em comum ou algo a acrescentar. Depende do momento, da pessoa e do alinhamento dos planetas — eu gosto de pessoas e provavelmente não gostaria de você. Mas essa sou eu. Meu amigo bissexual pode preferir pessoas altas, unicórnios ou alienígenas, depende do ponto de vista e da própria pessoa em si porque somos únicos e mutáveis. Somos humanos.


Nós infelizmente ficamos na sombra com medo de nos afirmar porque sempre terá alguém para apontar o dedo e falar m. Somos chamados de infiéis, a sociedade acha que precisamos nos relacionar o tempo todo com todo mundo e que vivemos na noite ficando com metade das pessoas por lá. Poligamia é outra coisa, pequeno gafanhoto. Ganhamos espaço? Sim, mas precisamos de mais. Estamos sendo representados? Mais ou menos (bem menos). O que você precisa colocar na cabeça é que os bissexuais existem sim, basta abrir os olhos. E depois de colocá-los na caixa é só tirar o rótulo.

Acho que gosto de São Paulo
Gosto de São João
Gosto de São Francisco e São Sebastião
E eu gosto de meninos e meninas

Simples assim. (E não é só por uma pessoa ser bissexual que ela vai querer um menáge à trois, babaca).

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.