As pessoas vão olhar

Ocasionalmente recebo o convite para assistir a TCCs feitos por alguém que trabalha comigo. Fui a poucos e o critério sempre é particular.

Uma variável é aprender. Comigo isso acontece quando existe empatia ou uma curiosidade mais insaciável que minha vontade de comer carboidratos.

Durante um desses momentos empíricos lembrei mais uma vez do quanto compromisso com a entrega passa por todas as etapas de uma vida.

Era um TCC do curso de moda. Modelo de negócios usando plataforma digital pra escalar a economia criativa e potencializar a carreira dos que ainda querem produzir em escalas menores.

Não tenho como julgar o mérito do trabalho ou entrar em questões técnicas. Deixo isso para os professores remunerados para tal.

Tenho como avaliar o que me seduz e o preenche meus flancos de motivação: a ambição generosa e a autenticidade laqueada.

Num desfile com mais de 15 criações de 15 pessoas diferentes, só existiu uma feita usando essa combinação: aquela assinada por Raony. Não bastasse ocupar uma tridimensionalidade maior que as demais peças, existia o dimensionamento moral.

A autenticidade ocupa diâmetros. Abre alas. Incorpora a nós mesmos quem queremos ser, até nascermos como a gente será.

A ambição generosa faz a gente compreender melhor o porquê caminhamos até o nosso pote de ouro.

“Vai.”.

Foi o que ele disse para a modelo antes de entrar na passarela. No imperativo, numa micro expressão facial inédita pra mim, mas fácil de sintonizar.

Aquela história de “dançar como se ninguém estivesse olhando” é a maior bullshit. Dançar é pra fazer como se todo mundo estivesse olhando, fazendo com que esses olhares sejam recompensados com o melhor.

Vale para a dança. Para qualquer atividade criativa.

Para o menor dos rabiscos no guardanapo da cafeteria.

Já dizia Harry Winston: “People will stare. Make it worth their while”.

Não há pessimismo que tome conta de mim enquanto eu ver esse tipo de gente, combinando ambição e autenticidade para deixar sua marca no mundo.

Você pode ter o que quiser desde que se vista para isso, diria Edith Head.

Raony, você pode ter o que quiser desde que nos vista para isso.

Obrigada.