O primeiro passo para ser um escritor: ser um pesquisador!

Pense em um assunto que você domine muito, mas muito mesmo.

Pensou?

Agora imagine você, em uma livraria, se deparando com um livro cuja sinopse pincela essa sua expertise de anos e responda: dinheiro ou cartão? Porque você vai comprá-lo, é claro!

Agora, imagine uma tarde chuvosa, uma xícara de chocolate quente com marshmallows, o silêncio sepulcral da família visitando sua tia-avó e um livro escrito especialmente para você. Você não vai deixá-lo esperando, vai?

Muito bem!

Agora imagine que o autor se equivocou quanto à origem desse assunto que você domina muito; você até pode pensar que o equivocado é você e fazer uma anotação mental para pesquisar sobre isso mais tarde. No entanto, algumas páginas adiante, o autor comete o deslize de citar alguns acontecimentos errôneos sobre o tal assunto de sua especialidade. Você começa a olhar torto para o livro e procura saber de que maldita língua ele foi traduzido, pois só pode ser erro de tradução, copidesque, revisão ou sei lá o quê. Não obstante, lá pelo capítulo três ou quatro, o autor samba no seu conhecimento da causa com detalhes que chegam a ser obscenos. Você vai querer fazer uma fogueira com aquela porcaria desavisada, picando página por página, mas, lembre-se, está chovendo!

Ao sentar para escrever, antes do “Era uma vez” há dezenas de pares de horas de pesquisa. Em seguida… mais pesquisa! Durante… pesquisa! Quase lá para terminar… Adivinha? Pesquisa!

Escritor é sinônimo de pesquisador, e não adianta ter preguiça se ser um escritor é o que você realmente deseja. Livros, filmes, documentários, séries e o Google estão aí para isso. Já notou que a maioria dos autores best-sellers (principalmente americanos) são jornalistas? Esses caras pesquisam MUITO!!!

Ou você pode não ter a mesma sorte e ter o seu livro fraquinho sendo lido em uma noite de período de seca.