Mulher pra casar

Oi, prazer! Tudo bem com você?

Eu não sou puta. Não, meu caro, não se engane, também não sou dama. Nem tampouco “dama na rua e puta na cama”, como te ensinaram que era bonito. Talvez, num trocadilho infame, esdrúxulo e raso, como todos os rótulos, eu seja “puma”. Parte duma, parte doutra, tudo numa. Não importa qual inicia e qual finda, se não conhece as duas, não sabe nada de nenhuma. Elas não vivem sozinhas, não se dissociam.

Puma. Felina, feroz, caçadora. Mansinha dormindo na selva? Não é mansidão, é o conforto de quem está em casa, ela sabe do perigo. Antagônica. Dizem dos felinos que são traiçoeiros. Me recuso. Os acho antes coerentes, coerentes à sua natureza. Recusam-se a hipocrisia de ser o que os outros deles esperam. Não tem qualquer gesto forçado, lambe a cria, mas também a presa. Uma por proteção e outro só pra sentir o gosto, quem sabe?

A dama geme na cama, morde a tua fronha e te molha inteiro de prazer. Já a puta pode estar de blazer comandando uma reunião agora mesmo, sem exibir nenhum pedaço da sua pele e sem que beije qualquer um, nem ao menos no rosto. Muito menos no rosto. A puta te faz esquecer o dia estressante com um bom papo, risadas leves e uma foda suada. Enquanto a dama agarra tua cabeça e te conduz com suas garras para o meio de suas pernas e te aprisiona ali, ao seu bel prazer. A puta fala merda, te conta piadas e é o cara que tu mais deseja que teus amigos conheçam, porque ela é foda. A dama equilibra mil pratos em um dia e ainda encontra graça pra sorrir. A puta chama as amigas e abre uma garrafa de vinho pra lembrar de quanto cada uma delas é incrível e rir do que não deu certo. A dama senta num bar se der vontade e pede uma cerveja só pra si e brinda, ela merece.

A puta que é dama distribui gentileza a quem encontra e sempre vê um lado bom em cada coisa do dia. Dama que é puta manda pra fora da vida dela quem não soma, quem pesa, quem suga, quem parasita. A puta que é dama é pra casar, mas só se ela quiser. A dama que é puta não é pra casar, mas só se ela não quiser.

Mulher pra casar — Luisa Medeiros