Como Inovar no Planejamento Estratégico

Há dois anos tive contato com uma abordagem muito interessante para planejamento estratégico. Trata-se do planejamento baseado na construção de cenários de futuro, sejam eles prospectivos ou especulativos.

Em geral planejamos baseados nos cenários macroeconômicos, orçamento e resultados ou aprendizados com produtos, serviços e projetos. Mas ao construir cenários, seu planejamento ficará muito mais rico e fará com que a sua organização olhe de fato para a frente.

Um dos grandes motivos de minha viagem recente ao Vale do Silício foi para justamente realizar o Foresign Pratictioner Training no Institute for the Future, um curso que prepara pessoas para a mediação e condução desta abordagem em qualquer organização.

Na minha opinião, a abordagem de construção de cenários de futuro deve ser um primeiro passo que você tem que dar no planejamento. Mas para que ele fique muito mais rico, é importante que você recolha informações sejam elas por meio de relatórios de tendências, usando um Big Data ou Web-Crawling para levantar sinais que mostram o presente num determinado tema que você deseja abordar, ou porque não sub-temas e assuntos que gravitam em torno do foco de sua organização. A partir deste sinais que apontam mudanças nos próximos anos, sejam elas econômicas, sociais, ambientais, tecnológicas e etc, você passa a ter elementos que te permitam desenhar futuros possíveis, especular a partir do que os próprios dados lhe apontam.

Construir cenários de futuro nada mais é do que sonhar. Sonhar sobre como a sociedade e os seres humanos estarão em determinado tempo a frente. Mas em geral, construímos sonhos utópios, pois gostamos sempre que ao final o bem vença o mal. Mas eu recomendo que você se permita desenhar um sonho distópico, catastrófico, para a partir disso elaborar projetos que mitiguem este cenário.

Uma vez construído o seu cenário de futuro, é hora de olhar a sua organização, o seu portfólio de projetos e refletir se estão a serviço deste futuro desejado, e caso analisar se sua iniciativa pode contribuir para a composição deste futuro, se você precisará ajustar ou deixar de realizar seu projeto, produto ou serviço. É após este exercício que você pode e deve olhar para as estratégias de sua organização e se ela está posicionada para este futuro.

Este modelo mental foi muito usado por Steve Jobs e outras grandes empresas tecnológicas. Mas Jobs não olhava para relatórios de tendências, ele tinha uma enorme capacidade de sonhar sobre o futuro e então colocou a Apple a serviço da cocretização deste cenário, do comportamento das pessoas que suas tecnologias mudariam.

Enfim, recomendo fortemente que você olhe, conheça, se aprofunde e leve para a sua organização este mind-set futurista.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.