Existência

Já pensei em criar um mundo novo, como os que crio dentro de mim. Faço-o no abismo da consciência, mas nunca nenhum resvalou para fora do metafísico. Esse é o princípio do homem iluminado, reger-se puramente pela sua consciência. Sabendo que, como sociedade, somos encaminhados pelas pedras menores, arredondadas pelos pioneiros desgraçados de insolente audácia. Os que nascem antes do tempo e os criadores dos novos tempos. Universos paralelos que se cruzam em realidades disformes: perturbadoras coincidências, traumas, indecências, milagres e depressões profundas. A árvore que não vê alimenta-se do sol. Quem lhe poderá ter passado tais ensinamentos, se não o acaso perdido nos muitos zeros da improbabilidade. Como diz Musk, nós somos somente realidade virtual de uma outra não virtual. Eu digo que somos de facto, e mais, somos realidade virtual de realidade virtual de realidade aumentada. Porque eu coloco óculos e perspetivas diferentes quando me deito de costas sob o Universo ou sob um céu estrelado. E a sensação de um beijo, os arrepios e borboletas, um orgasmo, são reações químicas que serão injetáveis no futuro. As drogas já nos dão parte descontrolada dessas sensações, no entanto, a nossa linha de comportamento deverá ser imutável. Desse controlo depende a nossa sobrevivência. O que é então a inteligência? — enquanto humanidade evoluímos conforme necessidade, tal como as restantes espécies. E a amostra que possuímos é demasiado curta, os 40–60 mil anos de história da humanidade moderna não permitem ilações tão ousadas. A teoria Darwinista apresenta a seleção natural como a épica e última batalha pela sobrevivência. E o mesmo se aplicará, daqui para a frente, se nos basearmos na premissa que não existe o conceito de artificial. Tudo é feito da mesma poeira interestelar, apenas combinada de forma distinta. E onde se queda a religião no meio de tudo isto? Tal como a ciência, caminha tão mais devagar quando comparada com as ideias e são ambas concebidas pela nossa parca imaginação.

Malta, 6 de Junho de 2016

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.