O conselho dos ex-prefeitos

Por Luís-Sérgio Santos

Uma ideia surpreendente e inovadora para os padrões locais, no Brasil, foi essa do prefeito eleito da cidade de São Paulo, o empresário João Dória, ao convidar os ex-prefeitos da cidade para formar um conselho.

Trata-se de uma ideia desconcertante na cabeça dos políticos que veem o embate como uma guerra de vida ou morte — na verdade, o acirramento da campanha é importante mesmo quando transcendem o campo das propostas de governo mas deve ser visto somente como estratégias de guerra, isto é, pontuais.
A ideia do conselho só poderia de vir de uma cabeça dialética e transversal, no melhor conceito do “design thinking”, uma heterodoxia que desorganiza o modo tradicional de ver as coisas: trata-se de uma quebra de modelos, se quiserem, uma quebra de paradigmas. E Dória demonstra estar totalmente à vontade para dialogar com os ex-prefeitos em nome da qualidade de vida de uma cidade tão complexa como São Paulo.

Como abrir mão da experiência dessa paraibana arretada chamada Luíza Erundina, uma política ilibada, acima de qualquer suspeita, que surpreendeu ao ser eleita prefeita da cosmopolita São Paulo? Certamente tem muito a contribuir, a opinar. Todos os candidatos por Dória aceitaram a ideia, mesmo o atual prefeito Fernando Haddad (PT) o que demonstra o compromisso de todos eles com a cidade, independentemente de quem seja o gestor. Marta Suplicy, Gilberto Kassab, Paulo Maluf, José Serra, todos teriam topado compor o conselho. Se vivo fosse, arrisco a dizer que mesmo o atordoado Jânio Quadros toparia compor o conselho de Dória.

O fato é que essa ideia só poderia vir de uma mente diferente do padrão tradicional que transforma a disputa eleitoral em uma guerrilha sem regras e sem moral. Conta-se que, na campanha eleitoral de 1950 para o governo de Minas Gerais, quando disputavam o udenista Magalhães Pinto e Tancredo Neves, aconteceu uma inusitada reunião. Tancredo recebeu, por intermédio de um amigo comum, convite de Magalhães Pinto, para um almoço reservado. Homem de nunca recusar conversa, Tancredo foi se encontrar com seu adversário. Conversaram e almoçaram ao mesmo tempo em que discutiam o futuro de Minas e do Brasil. No meio da conversar, Magalhães Pinto, banqueiro, foi direto ao ponto:
 — Tancredo, quero fazer uma doação para a sua campanha.
Esse tipo de político que vê na disputa simplesmente uma estratégia eleitoral e não uma questão de ou morte está raro Brasil. Por isso o Conselho convocado por João Dória desorganiza o modo tradicional de ver política.

É sempre bom lembrar que dois grande lideres políticos no Ceará, José Martins Rodrigues (PSD) e Paulo Sarasate (UDN), eram vizinhos, compadres e amigos. As diferenças políticas nunca os separou.

Imagina esta ideia do Conselho aplicada a Fortaleza: temos ex-prefeitos que em muito poderiam contribuir. Maria Luiza Fontenele, Vicente Fialho — que construiu e inaugurou a avenida presidente Castelo Branco e avenida Aguanambi, duas obras estruturantes da cidade — , Luzianne Lins — que implantou os Cucas e construiu o Hospital de Mulher — , Ciro Gomes, Antonio Cambraia.

Infelizmente, nos últimos tempos, as disputas por estas bandas tem ganho um aspecto de luta medieval. E, no dia seguinte, qual dos contendores teria o desprendimento de João Dória.

<>

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luis-Sergio Santos’s story.