Tô sóbria (e quero continuar)

O cansaço veio em dose dupla nos últimos dias. Problemas. Soluções apressadas. Aplica. Espera o melhor resultado (pelo menos mediano). Tanta coisa, tanta solução mecânica que esqueci um pouco de mim.

Acho que me encontrei agora a pouco, acho que faz uns 10 minutos. Foi quando escutei aquela faixa que fazia alguns anos que eu não escutava. Anos não, meses (eu acho), já que a faixa não é tão velha assim. Tô sóbria, pelo menos eu acho que estou. Tá tão claro agora. Queria esse sentimento sempre, mas é uma pena que já são quase 4h da manhã e amanhã o dia vai ser longo, tenho que dormir. Mas pera, ainda tenho aquele relatório pra fazer.

Quero esse sentimento pertinho sempre, o mundo lá fora tá todo parado, enquanto eu produzo e faço o que quero, na ordem que eu quero. Gosto do meu próprio fuso horário.

Será que tô olhando demais pra mim? Acho que nunca fiz isso. Fiz tanta coisa nesse último ano, mas acho que pouco que dizia algo sobre mim. Fiz pros outros. Mas cadê os outros agora?

Tô ocupada demais estando apaixonada por você, isso é fato. E essa conta de energia tá vindo cara demais, preciso dela pra outras coisas, tipo escrever o relatório que tá aqui nas listas de coisas pra fazer, e já são 4h da manhã…

Tudo que me falaram é verdade. Não adianta mais dar soco em ponta de faca, a vida andou, e nossa quanta coisa eu fiz nesse ano! E nada disso teve você envolvido, sempre fui eu por mim mesma. E que gostinho bom tem isso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.