Manual de como desviar da histeria coletiva e reconhecer suas próprias conquistas — Parte I

Primeira lição:

Eis aqui um diálogo entre duas pessoas hipotéticas sobre uma terceira pessoa, também hipotética, numa situação dolorosamente real:

_Pois sabia que Fulana canta, dança, assobia, e faz tudo isso de forma muito elegante enquanto chupa uma manga?

_É mesmo, é?

_Sim! E além disso, ela ainda sabe pedalar um monociclo numa corda bamba pegando fogo.

_Olha só…

_Outro dia vi que ela estava amamentando os dois filhos enquanto fazia acrobacias de cabeça pra baixo, sendo que poucos minutos antes já tinha engolido uma faca.

_Nossa.

_É impressão minha ou tu não se impressiona com nada?

_Rapaz, é que se eu te contar de todas as vezes em que eu
 Logo eu
 Rastejei à procura de uma quina no fundo do poço 
 Senti no estômago as labaredas do inferno
 Espantei meus demônios aos berros na varanda 
 Aos prantos no chuveiro
 E toda vez em que eu aperto aquelas malditas teclas
 E o maldito botão que dispara a foto, e graças a Deus, não o tiro
 As vezes em que vim, vi, chorei , tremi, temi, e ainda assim, fui, venci
 Inclusive, sabe que hoje eu consegui levantar da cama e fazer tudo o que era necessário?

_E acha muito?

_Não sei se é muito, sei que hoje me basta.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.