Parece tão inocente ao dormir.

te devoraria facilmente. me enfiaria em seu bolso,

você disse.


Sinto esse entorno se formar de repente

em movimento em tempo presente é como

se fosse galopar sentir o movimento

ainda que eu não alcance

as rédeas consigo nos sentir talvez

por isso pela primeira vez

um olho talvez o esquerdo não vê está cego e é como se você não coubesse

(todos eles passaram por você só na última noite e você

seguiu porque

não é nenhum desses

que passaram/

tantas vezes por mim/

com rostos diferentes no fundo era)

você não tem encaixe não sei

quem é e isso me devora por isso é que espero

a sua hora de acordar

meu corpo sente me acorda

antes e não me deixa

dormir

eu fico te olhando e me sinto soberana

e um pouco idiota também fecho os olhos

volto a dormir.


alguma coisa na certeza de você estar ali não me deixa

é que eu não entendo pra onde como de que forma

isso tá sendo conduzido por quem

é você quem está no movimento

não acho que seja ainda

que talvez eu te sinta numa fluidez

semelhante talvez

seja o lugar que nos alcança

ao mesmo tempo como se a nossa correnteza pessoal

tão intensa tão individual tivesse

se esbarrado

e agora não sei como faz acho que perdi

o controle, que besteira.