Minha religião não me permite

Sua vida é baseada em quê? Nas relações interpessoais, no trabalho, em viagens ou religião? Você se permite viver ou são pessoas que te dizem o que fazer o tempo todo? Ora, ouvir o que as pessoas têm a dizer é importante. Mas é isso que realmente norteia sua vida?

Na vida eu criei grandes expectativas. A vida é criar expectativas. É se planejar e às vezes dar errado. Ou mais que isso, dar muito mais certo que esperado. Sou ansiosa. A hipótese de dar errado me corrói por dentro. Ter que suprir a minha expectativa e do outro explode mil bombas atômicas dentro da minha cabeça. Tô aprendendo a me divertir com isso a aproveitar cada momento, cada experiência. Mas ok, o que isso tem a ver com o título? Por muito tempo tentei seguir as regras mas não sabia qual era o fundamento da regra e isso dificultou a minha vida.

"Não posso, a minha religião não permite". Eu já ouvi muitas vezes essa frase, mas grande parte foi de brincadeira. Até que recentemente eu ouvi para valer. Me impactou. A religião é feita pelas pessoas. Eu ouvi dizer que Deus não é religião. Logo, quem dita o que você pode ou não fazer são seres humanos e eu penso: com qual fundamento? Deus, em sua onipotência, não deve ficar condenando pessoas pelo o que elas fazem de ruim ou não. Elas mesmas se condenam. Mas até que ponto é condenável ou não? Até que ponto o que o outro faz me aprisiona, me fere ou me condena? E se tudo isso acontece, porque?

Conhecimento e respeito. São estas as duas palavras que deveriam andar de mãos dadas, mas para muitos, uma repele a outra. Porém, num ímã, polos contrários se atraem, o saber sobre o outro e entender o outro poderia acrescentar muito mais como pessoa.

A verdade é que as pessoas acreditam que o espírito se corrompe muito fácil. Será que seu espírito é forte suficiente para aprender? Você deve conhecer os seus limites. Deve saber que o seu direito termina quando do outro começa. O que é bom e o que é ruim? Quais são as consequências do que você aponta como mal? Pesquisar, se informar, não precisa experimentar, mas tenha mais de um parâmetro sobre determinado assunto. Seja você o grande sabedor do que é bom e do que é ruim PARA SUA VIDA. O não permitir algo aprisiona. Colocar mais grades na cela não é a solução. O que move e difere dos demais é a sua essência.

Quando aprendi essa lição minha vida mudou. Coloquei em prática o meu discurso de ser aberta ao conhecimento. Acredito que a diferença é o mais interessante do mundo, com respeito. Não conseguiria viver em um mundo que somente existissem pessoas iguais a mim. Não sou o suprassumo sobre conceito de liberdade, mas acredito que o caminho seja esse para ser livre. Me fez muito bem. Sou convicta das coisas que acredito. Esta é uma delas. Ter contato com o diferente fortalece todas as minhas ideias ainda mais. Fico com o que é para mim, descarto o que não me pertence. E como posso descartar algo que não me pertence? Conhecendo.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Luiza Vaz’s story.