renasci das cinzas de uma poesia tosca. responsável por banalizar tudo aquilo que fez de mim um arrependido. se eu conhecesse os meus limites, e respeitasse os seus, eu não seria réu e nem você seria vítima. renasci para aniquilar toda poesia tosca, e todos os crimes que ela cometeu. renasci para denunciar todos os tapetes que ocultam cinzas. vai que mais arrependidos estejam para renascer.

--

--

Orixás reunidos na cachoeira. Imagem: Reprodução

Mãe nossa que está aqui,

profanado foi seu nome,

destruíram o teu reino,

e cagaram para a sua vontade.

Muito na terra, e um pouco no céu.

O pão nosso de hoje nos dá todo dia.

Permita que eu pague minhas dívidas,

assim como permita que me paguem meus devedores.

E que eu saiba cair em tentação

sem precisar, por isso, me sentir mal.

Por que teu sempre foram

e sempre serão

O Reino

O Poder

E a Glória!

Assim é.

Amém.

--

--

Luiz Carlos González

Luiz Carlos González

escritor de rua confinado; forasteiro criando raiz; forçado a deixar a estrada, mas não de viajar, não descarta a possibilidade de embarcar no próximo meteoro°´