A boa escrita

A escrita é imponderável, mas perfeitamente domável. Aqui vai um breve pensamento sobre a boa escrita.

A boa escrita pode significar um belo domínio da língua portuguesa, bom da gramática em seu senso mais comum. Boa escrita, dessa maneira, não está relacionada a comunicabilidade ou arte, mas ao ato de usar a língua. O que pode ser criativo, pelo uso que regras permitem. Regras permitem flexibilização, rompimento, reorganização, escolhas pragmáticas ou não. A escolha das palavras, dos períodos, dos tamanhos das palavras e dos períodos. O uso de períodos simples, de inversões, os tipos de sinalizações. Boa escrita na língua e criativa, mas ainda, somente uma boa escrita.

A boa escrita pode significar o domínio da comunicação. A capacidade de ser compreendido perfeitamente. Aquilo que estava em sua mente colocado na mente de quem lê. Domínio da leitura, mais que da própria escrita. Uma escrita voltada para a comunicabilidade. Também permite um uso criativo. É nesse domínio que se pode criar camadas interpretativas. Pensar diversas leituras, diversas comunicações. Boa escrita enquanto comunicabilidade pode ser a compreensão do simples ou as construção do complexo “limpo”, aquele honestamente planejado por quem escreveu.

A boa escrita pode ser aquela do impacto, que produza empatia, reconhecimento, drague o leitor por aquele universo. Essa também tem sua técnica, mas é mais subjetiva, depende do leitor, depende da cultura, depende do momento. O uso dessa é quase sempre criativo, mesmo no texto jornalístico, no texto técnico. É talvez a boa escrita mais amplamente reconhecida por leitores. A mais dita, a mais relevada. É uma daquelas bem difíceis de se dominar.

A boa escrita, do meu ponto de vista, é um misto dessas anteriores. Não plenamente todas, ou qualquer uma. Ela existe no subconsciente. É treino, mas é irracional. A boa escrita é uma escrita inteligente e criativa, desafiadora. Existe em qualquer plano. Cria mudanças. A boa escrita é sempre chamada de escrita ruim antes de ser boa escrita. A boa escrita, para tudo, mas principalmente para a literatura, é arte. É o espírito do processo e é, muitas vezes, incontrolável, pois depende muito do espírito da época.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.