Tá achando que é DisneyLandia?

O contexto Disneylandia

Eu e meus amigos usamos a expressão: “tá achando que é DisneyLandia” sempre que queremos dizer que alguém está com uma visão ou ideia muito fora da realidade. Que está viajando. Que está projetando uma realidade muito mais positiva do que a real. Em suma, deixando de analisar aspectos importantes de uma situação. A Disney representa essa terra encantada onde nada pode dar errado.

Ai entra o primeiro problema: a gente estuda e acredita na física quântica, em toda essa história de que criamos nossa própria realidade, que atraímos para nós o que quer que imaginarmos, que somos co-criadores conscientes da realidade.

A discussão por trás do parque

Então, obviamente, entramos muitas vezes na seguinte discussão: “ o mundo é ou não é Disney?” Certa hora argumentamos que é, que podemos projetar uma realidade completamente positiva, feliz e vibrante do futuro. Certas horas acreditamos que não é bem assim, que o buraco é mais embaixo e que as coisas nem sempre saem como esperamos.Por esses dias, tivemos o que acredito ser a discussão final desse tópico. A conclusão foi: Sim, o mundo é Disney.

Mas peraí. O assunto é mais profundo. Chegamos a conclusão de que é possível acreditar e criar uma “realidade DisneyLandia” para nós mesmos e para todos ao nosso entorno. Mas de MANEIRA NENHUMA, podemos nos colocar no papel de visitantes do parque. Para criar essa experiência, esse nível de satisfação e realização na vida, precisamos analisar a realidade pela ótica Walt Disney.

A estrutura por trás do parque

O que quero dizer com isso é: Walt Disney criou a ESTRUTURA para basear a experiência. Para que todas pessoas que entrassem em seus parques tivessem essa experiência maravilhosa, Walt Disney teve um caminho árduo. Compra de terrenos, investimento em infraestrutura, processos para funcionamento interno, treinamento de funcionários, milhares de fornecedores, terceirizados produtos e estruturas auxiliares que se relacionam e juntas suportam a experiência do parque.

Então, se quiser viver a vida como em um parque da Disney, adquiria essa visão sistêmica da vida. De atenção a tudo que envolve o resultado final. Não se esqueça de assumir a direção do seu parque, cuidando com todo amor de cada detalhe estrutural que compõe a experiência, de cada pessoa que influenciar na experiência e de cada usuário do parque que criar.

A ser continuado…