Sobre caminhar…

Tigrão. O novo.

Eu sinto que eu vinha caminhando. De repente, me deparei com a possibilidade de escolher entre dois caminhos. Permanecer no que eu conhecia ou me deixar levar por algo completamente novo. Então eu arrisquei e resolvi criar nenhuma expectativa (o oposto do que eu costumava fazer) sobre o que eu escolhi, apenas segui.

Ao longo desse caminho fui muito feliz, descobri coisas novas, me surpreendi.. mas também percebi o quão imatura e insegura eu era, senti coisas que nunca tinha imaginado… e mesmo diante do novo eu resolvi continuar, eu não havia ido tão longe anteriormente. Já que eu havia escolhido aquele caminho, que eu apenas aproveitasse a caminhada.

Hoje acredito que em tudo existe um P R O P Ó S I T O.

Andar por caminhos desconhecidos me fez perceber o pouco que eu me conhecia.

Talvez essa seja a razão de tudo, passar pelas situações para que possamos perceber quem realmente somos e o que queremos.

E essa é uma tarefa muito difícil.

Então fui percebendo que as pessoas que conheci nessa caminhada refletiam, pouco ou muito, quem eu realmente era. É um tanto confuso, mas é a verdade, aquela crítica que eu fazia sobre o outro na verdade era para mim mesma. Aquilo que eu admirava no outro estava ali em mim também… muitas vezes eu não percebia.

E é isso, o outro é reflexo daquilo que eu sou. O que o outro faz que me magoa é algo que EU preciso curar em mim. Essa responsabilidade sobre os meus sentimentos não pode ser dada a ninguém.

Caminhando, eu muitas vezes me subestimei. Achei que não fosse capaz. Me magoei. Não acreditei em mim. E quis esperar isso de outras pessoas. Então, fui percebendo que nunca iria receber com bons olhos o elogio do outro se eu mesma não acreditasse naquilo.

Por outro lado, eu também subestimei quem caminhou comigo. Critiquei. Algumas vezes xinguei. Não tolerei. E depois vi que isso dizia mais sobre mim do que sobre o outro.

Caminhar não é fácil.

Muitas vezes agi tentando acertar e errei. Outras, me arrependi por não ter tentando. Algumas deu tudo certo e eu nem estava esperando. Ao escolher um caminho algumas vezes é possível voltar e escolher outro… mas não é possível mudar o que já foi feito.

E eu que sempre fui tão racional, comecei a fazer perguntas cujas respostas não estavam na lógica. “Por que esse caminho?” “É realmente viável?” “Isso vale a pena?” “Por que não arriscar?” “O que significa isso que estou sentindo?”

Não posso dizer que as coisas não saíram como eu planejei.. porque eu não havia planejado nada. Foi esse o meu erro? Ou será que as coisas aconteceram como deveriam ser? Tudo poderia ter sido diferente? Poderá ser diferente um dia?

Enfim… esse é o meu caminho. Indeterminado.

Não há fórmula. Não há método. Não há teste. É tudo ou nada. Me resta apenas viver.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.