Palavras sem sentido

emergem

saem das mãos (e da alma)

limpando

curando antigas feridas

esquecidas

guardadas nos confins do meu ser

deixa vir sem censura,

digo

despretensiosamente me renovo

a cada vez que escrevo

sangrando palavras

reprimidas.