Sábado é teu dia

Dayne Topkin

Uma música qualquer toca e faz fundo para as lembranças que voltam a me encontrar. Junto com elas vem teu toque, teu cheiro, tua risada inconfundível. Não preciso ver teu rosto para saber que és tu a me buscar em pensamento. E de pensar que de ti o que tive foram só algumas horas que em minha cabeça se estendem infinitamente para me satisfazer.

A parte que mais gosto de lembrar é daquela em que me abraças com força e sorrindo me dizes que eu não preciso dizer nada. Nós não precisamos dizer nada. É uma troca de energia tão grande que se encerra em si mesma.

Meu desejo agora é de te falar o que realmente senti naquele momento.

Não sei quantos segundos passamos sorrindo um para o outro. Eu meio sem graça, tu tão certo de ti.

A verdade é que não esqueci de nenhum detalhe desde o momento em que passaste pela porta meio apressado, preocupado.

Eu quis sorrir imediatamente ao te ver e através do sorriso abrir meu mundo para ti sem reservas sem nem saber porquê.

É engraçado como um completo desconhecido em questão de segundos é capaz de vencer nossas barreiras de proteção se nos permitimos sentir a frequência da vida. É como mágica. O mundo sorri de volta, agradece a confiança e te entrega o milagre do encontro improvável e inesperado.

Voltando aos teus detalhes, gosto das mãos firmes, da energia positiva, do jeito de andar, do ar aparentemente despreocupado que te cerca, do teu desejo de confundir e subverter.

Meus pensamentos por alguns momentos se afastam da realidade e mergulham em mim misturando as lembranças com o que não tivemos. E seu eu tivesse te convidado para sair? E se eu tivesse ficado mais um pouco? O que teria acontecido?

Gosto de pensar que nos beijaríamos sorrindo. Extravasando assim a felicidade do encontro.

É maior que nós, essa é minha única certeza. Talvez seja para não ser vivido, mesmo. Talvez nem era para termos nos encontrado. Buscas tanto a subversão do que é, que subverteste o que estava escrito para nós. Não era para ser, mas foi. Nos encontramos numa brecha do tempo/espaço. Nos amamos em segundos. O portal se fechou. E tudo voltou ao normal. Eu com a minha vida e tu com a tua.

Guardo comigo a gratidão que senti por ter te encontrado nessa vida. Por ter respirado o mesmo ar que tu. Por ter te tocado, sentido tua pele, testemunhado o encontro dos meus olhos com os teus. Curiosos, verdes e inesquecíveis.

Até logo. Até sempre.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.