Não quebre meu escudo

Eu creio que transformação é essência vital. Portanto, difícil de ser aceita. E interação humana é transformação. Você pode transformar-se no outro, o outro pode transformar-se em você, você e o outro podem transformar-se em outra coisa. Em muitos outros eu me transformei. Pouco sei se outros se transformaram em mim. Em outra coisa, eu e o outro nos transformamos constantemente.

Sim, é uma carta aberta para você. Espero que não fique chateado, nunca foi a intenção. É que falar ao mundo salva a alma de quem não pode ou tem consciência de que falar com quem se quer falar é perecer na vontade de afundar em náuseas.

Comum de minha parte, sempre que possível, me banho em laços prematuros. É, quem é criado pra ser cão de guarda não se acostuma a laços tortos, me desculpe. Não é meu natural. Não que eu não saiba fazer isso, mas nunca me fez bem não assumir aquilo que grita dentro de mim. Se deixo com que fique gritando e nada faço, a ressonância desse grito quebra meu escudo. Não posso partir meu escudo ao meio, entende?

Acho que isso interessa para as pessoas na medida em que não se conscientizaram de que cães como eu não vivem só de dar. Temos fome e vontades. E não são vontades compráveis; não queremos que um uber seja pago para que estejamos seguros em poucos minutos dentro de nossas casas. Queremos tua pele, teu cheiro de abate.

De ti, ganhei alguns mimos e formas que não são minhas. Ah, se soubesses que pouco me compraram. O que me ganhou foi teu eu. Tanta energia, tantos sonhos lindos, tanta força, porém cobertos por tuas sombras. E penso que achas que as escondia, como muita coisa eu vejo que pensas serem invisíveis aos meus olhos.

A seu respeito, muitas vezes penso que queira se vingar de toda imagem feminina que encontra pelo que alguma te proporcionou no passado. A teu respeito, penso que, quando dizes “não minto”, de fato não; acho que apenas não consegue mais distinguir realidade da tua amarga ficção, tão amarga quanto a minha.

Te queria vivo. Mas, pelo menos ao meu lado, te encontro morto. Queres me matar junto, sinto, por vezes. E o que está dentro grita, e grita com força. E o escudo quebrou. E eu o estou colando.

“I would never insult you. You’re too great a warrior. But perhaps not so great a man.”

Com todo o meu amor,

Estrella.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.