Eu fui

Com o coração apertado, doendo, sem me despedir ou te avisar, eu saí pela porta e te deixei pra trás. Depois de tanto tentar nos prender do jeito que eu queria, depois de tanto lutar por “nós” — entre aspas, porque a gente nunca existiu -, eu coloquei um ponto final em algo que nunca teve início. Esperava que tu viesse atrás e tentasse impedir minha ida. Mas não. Tu não fez nada e me deixou ir. E agora eu tô aqui, te escrevendo, gastando mais um pouco do meu tempo pra escrever sobre e pra ti.

Eu sempre fui boa com palavras, já com sentimentos… Sempre errei, sempre senti demais, sempre quis demais. E olha que irônico, de tanto te querer, te perdi. Te perdi antes mesmo de te ter. Cansei de me entregar, de tentar te entender e só me machucar. Se fosse pra dar certo eu já tinha percebido. Se fosse pra dar certo, tu não arrumava desculpas, não te afastavas nem me afastava. E tu só me afastou. De ti e, pior, de mim.

Eu tô vendo esses casais se despedindo no aeroporto e, confesso, chorei. Chorei de raiva, tristeza e saudade. Saudade do que não aconteceu e, agora, nunca vai acontecer. Tu nunca me deu valor, eu que criei um modelo perfeito de ti e me iludi. Eu criei mil e uma possibilidades e acabei assim, desse jeito, lembrando de ti enquanto os casais estão abraçados, trocando palavras lindas. De ti eu não ouvi sequer uma.

De olho no relógio, ainda tinha esperança que a porta abrisse e eu conseguisse enxergar tu caminhando em minha direção, segurando alguma coisa que eu pudesse ter esquecido na tua casa, antes de sair. Mas tu não apareceu e o alto falante anunciou meu voo. É, eu preciso ir. Fico triste por tudo ter terminado assim, mas acontece, né… Acho que a única coisa que não aconteceu foi a gente. E isso me dói. Dói muito. Espero, um dia, aprender a lidar com essa dor e esse sentimento que toma conta de todo o meu ser.

E eu fui. Com minha mala e um aperto no peito, que eu sei que só vai aumentar a medida que o tempo for passando. E eu fui. Sem saber direito aonde estava indo, mas com uma única certeza: perto de ti, infelizmente, não é o meu lugar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.