Céu convidativo

Parece-me que alguns dias são todos iguais;

acordar, levantar, ouvir os pássaros a cantar

o céu azul com suas nuvens pintadas por um modernista

sempre a me convidar para o dia contemplar.

Triste seria se esses dias fossem cinzas

mas não falo das nuvens;

falo das pessoas que estão sempre a tentar entristecer o próximo;

falo da não valorização da natureza e sua paz,

sobre o canto de liberdade dos pássaros ao raiar

e o verde reluzente das folhas das árvores

em contato com o sol.

falo dos “bom dia, dormiu bem?” e da importância que cada frase habita,

logo ao ser dita, no coração.

Falo daquelas pessoas que tornam nosso dia melhor

risos, abraços, beijos, bobagens, amor

até mesmo a atenção, mesmo que pouca, da pessoa cobiçada;

coisas que não conseguimos viver sem…

Entretanto, se o dia é cinza

nada disso satisfaz;

céu, pessoas, pássaros, árvores

risos, abraços, beijos, bobagens, amor

e até a pouca atenção da pessoa cobiçada (que deseja-se mais)

são meras peças de xadrez para quem não é conhecedor de estratégias.

E o dia sempre será cinza.

Poluído. Triste.

Tento ser aquele que traz a paz do amor

mas é sabido que às vezes nem mesmo eu sou capaz de acalmar meu interior;

O que fazer, então, com esse ideal em mão?

Ser céu convidativo ou nuvem cinza a gritar?

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.