a vida não é um pão doce

Vivemos achando que a nossa vida tem que ser um pão doce quando, na verdade, ela pode ser apenas uma simples fatia de torrada murcha.


Desde pequenos ouvimos que, acredite você ou não, a tríade carreira-casamento-filhos nunca falha.

Você aprende o abecê, depois as somas, os fenômenos naturais, o relevo, a cadeia alimentar e todo o resto to the infinity and beyond para que, finalmente, (com sorte…digo, com suor) você entre em uma universidade.

Mas você quer mesmo ir para a universidade? Lógico que quer! Segundo meus cálculos, passamos praticamente toda nossa vida escutando que ao menos que entremos em uma faculdade, jamais seremos bem sucedidos.

“Você vai para universidade estudar só o que gosta”, outra mentira (que nunca falha) passada de geração para geração como se fosse um conto épico.

À propósito, chegamos ao assunto casamento e filhos. Mais uma vez te empurram goela abaixo a necessidade esperneante, quase infantil, de se ter uma família. Se você concluiu sua graduação e ainda não tem um parceiro, trate de arrumar!

De qualquer forma, não há mal nenhum em querer ir para universidade. Aliás, aqui estou eu cursando uma. E também não há nenhum pecado (se é que ele existe) em querer formar uma família. O problema está em acreditarmos que o elixir da felicidade se limita somente àquilo que nos dizem.

Ter uma carreira sólida, um parceiro que te ama e dois filhos lindos pode parecer um pão doce para sociedade, enquanto concluir a graduação aos trinta anos de idade, nunca se casar, nem tampouco ter filhos será como uma torrada murcha.

A vida nem sempre é um pão doce.

E se for para ela ser o mais distante possível daquilo que você não projeta para si mesmo, sim! Prefira que ela seja murcha, murcha como uma torrada amanhecida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.