Vai Não Se Esconde Vem Pro Sapabonde!

Rio 2016 foi a olimpíada com maior número de atletas mulheres e o com o maior número de atletas publicamente assumidos LGBT da história. Pra celebrar esse evento e o mês da visibilidade lésbica que já está acabando, elenquei alguns momentos maravilhosos das miga fancha.

Thamara Cézar e Rafaela Silva.

A medalha de Rafaela Silva foi além dos tatames. Em entrevista dada ao M de Mulher, Rafaela lembra da importância da namorada na sua preparação.

“Ela estava ali no dia a dia e sabia o que eu passava, quando eu estava cansada, quando eu não estava. Tudo o que eu precisava ela estava ali à disposição para fazer, então ela também é muito importante nessa conquista.”

instagram / rafaela silva

Isadora Cerullo e Marjorie Enya — e a primeira proposta de casamento lésbico na história dos jogos olímpicos

No terceiro dia de olimpíada, a jogadora de rugby Isadora Cerullo foi pedida em casamento por sua namorada que trabalhava como voluntária dos jogos, Marjorie Enya logo após o jogo do Brasil contra o Japão.

por favor morrendo com essa foto!!

*Ainda sobre Isadora Cerullo: em maio desse ano, a jogadora que também é formada Columbia University (onde desenvolveu uma tese sobre a evolução dos direitos reprodutivos e sexuais da mulher), falou um pouco (mas falou bonito rs) pro OEC sobre a opressão das mulheres pelo patriarcado e como isso se manifesta através da falta de reflexão sincera sobre o corpo; falta de uma reflexão através de um olhar sem o filtro machista — enquanto objetificador e hipersexualizador — e sem o espelho distorcido pelos padrões estéticos.

A melhor comemoração de gol da história (sem exageros)

O primeiro casal

instagram

Kate e Helen Richardson-Walsh são jogadoras de hóquei sobre a grama da Grã-Bretanha e no dia 19 de agosto se tornaram primeiro casal lésbico a levar um ouro na história das Olimpíadas. Em entrevista dada ao The Guardian, Kate falou sobre a importância de ter sua esposa ao seu lado:

“ It is really special. To win an Olympic medal is special, to win an Olympic medal with your wife standing next to you, taking the penalty in the pressure moments is so special. We will cherish this for the rest of our lives” É realmente mágico. Ganhar uma medalha olímpica é especial mas ganhar uma medalha olímpica com sua esposa na sua frente pegando um pênalti num momento decisivo è muito mais. Nós iremos comemorar isso pelo resto de nossas vidas”

Aqui vocês podem ver quais atletas assumidamente lbgt ganharam medalha nessas olimpíadas

Um adendo especial para Nicola Adams (que é bissexual), da Grã-Bretanha, que se consagrou como a primeira mulher bicampeã no boxe em olimpíadas.

É isso, cabou. Infelizmente foi rápido demais mas foi lindo.