A boca navega

A tua boca quando ri

Me faz cócegas

A tua boca quando sussurra

Arrepia a nuca

A tua boca quando encontra a minha

Perde-se

Navego sem rumo

Os lábios dançam nas águas

E as línguas chocam-se no atrito quente da boca

A tua boca quando beija meu pescoço

Me despe devagar

A tua boca quando encontra meu peito

Me deixa nua

Os lábios e mamilos plugam-se

A pele nua

O mamilo duro

Vibram com o toque dos dentes

A boca desce

Navega o corpo

E a tua boca quando chega na minha…

Explosão!

Lábios nos lábios

E a língua a procura

O beijo no clítoris me transporta

Na proa do barco sinto a água que respinga do encontro com o mar

Num ritmo crescente as ondas me balançam

No vai e vem da língua

Da fricção com meu órgão

O corpo contorce

Desdobra-se

Quebra-se pelas bordas

E se desfaz

A sua boca, sabida

Despede-se devagar

Procura a coxa

A virilha

A cintura

E volta a transitar

A tua boca encontra a minha

O gosto do gozo é rasura

E a tua boca com a minha

Voltam a navegar

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Escrevivências’s story.