Ser mar

A lua aparece no céu e me dá um susto

Pequena e brilhante me trás conforto

Certeza de que a minha vida acaba em mim

E que o universo é muito grande

O rosa que surge no céu contrasta com o cinza que cobre a outra ponta

E a água corre em torno da pedra

Chocando-se, determinada a chegar na areia

Certeza ou impulso

Um movimento rápido e intenso dissipa sua força ao chegar na beira

Sempre achei o mar poderoso

De uma força e leveza que se complementam

Assusta e acalma

O fim da tarde é frio

O vento que atravessa a roupa atinge os órgãos

Dói um pouco

O oceano me lembra a pequenez de mim

A finitude do meu ser

É doce morrer no mar

E quando morrer, mar quero ser

Like what you read? Give Escrevivências a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.