If I…

música escolhida pra esse texto é “If I Die Young

If I…? What if…? São perguntas que surgem o tempo todo nas nossas mentes e é engraçado que são sempre muito carregadas de sonhos e desejos…
Hoje, estava com o meu namorado apreciando um belo temaki quando surgiu o assunto sobre dons. “Dons, mano? Como assim?”. Sim, dons. 
Estávamos nos perguntando sobre como são “descobertos” os dons, se foram “descobertos” cedo ou tarde e se todos na face da Terra teriam algum… E, no meio dessa conversa, eu me peguei pensando em como tudo na vida é cobrado pra acontecer “cedo” e como isso nos traz tantos “what if…?”. Você tem que ser gênio cedo, você tem que saber o que você quer da sua vida cedo, você tem que saber no que é bom cedo, tem que ganhar dinheiro cedo, enfim… tudo tem que ser cedo e isso acaba inibindo muitos dons porque você tem que ter a certeza do negócio em que você é bom logo, impedindo a descoberta de forma natural.

O que quero dizer com isso é que a sociedade cobra que saibamos o que queremos e que sejamos bons em algo muito rápido e é daí que começam os pensamentos e julgamentos de se você é bom o suficiente em algo, se você realmente nasceu pra ser bom em algo, se você vai ser bem sucedido naquilo que quer e etc, sendo que isso deveria ser algo natural! Tem muita gente que vive a vida se imaginando em outras situações porque foi pressionado a se decidir de uma forma medonha.

Todo mundo na face da Terra tem um dom, todo mundo é bom em muito mais do que só em uma coisa e não é isso que irá te definir. Você tem um dom e não existe cedo ou tarde pra que você descubra qual é e no que você pode usá-lo! O seu vai aparecer quando você precisar e nunca é tarde pra viver a continuação das suas esperanças no “if I…”. Fuck the society and wait for your gift.

P.S.: leitura complementar :)