300417

Acredito que todos nós identificamos algum defeito que reconhecemos e gostamos menos do que os outros. O defeito que eu menos gosto em mim é ser precipitado ao falar com as pessoas. Tenho fama de ser direto demais, de não usar eufemismos, de não tentar suavizar as coisas antes de soltá-las, e isso machuca. No fundo, todos temos inseguranças e nunca sabemos o que se passa no coração de alguém em especial, uma palavra usada de maneira errada pode fazer alguém se sentir mal pelo resto do dia. Eu não sou a pessoa mais segura de mim no mundo, então é mais do que certo que eu tenho que ter responsabilidade e mais delicadeza antes de falar algo que machuque alguém. Afinal, não adianta ser honesto e sair dando tiros em todo mundo.

Comprei produtos de beleza hoje. Eu não lembro qual foi a última vez que eu tentei ficar bonito, ou tentei parecer mais atraente do que sou. Usava shampoo anti-caspa e deixava por isso mesmo, nunca cuidava da minha pele ou tentava aprender a tirar fotos faz um bom tempo. Decidi nunca mais pisar em um consultório de um psiquiatra. Não quero mais remédios que foram me receitados após diagnosticações rápidas e que fazem com que eu me sinta um lixo por dias. Pesquisei alimentos que ajudam na produção de serotonina (o hormônio da felicidade), uso remédios homeopáticos e acho que isso pode ajudar bem mais do que ficar agonizando depois de tomar um remédio pra transtorno obsessivo compulsivo e passar dias vegetando como se você fosse um ser sem sentimentos. Tomei vários remédios e nenhum deles deu mais certo do que errado em mim, e decidi parar. Estou num caminho de provar e escolher o que me faz bem, ser detetive do meu próprio corpo, do meu próprio eu. Hoje vi um vídeo que falava que a nossa saúde depende do estado do nosso intestino, e acredito que posso mudar a frase pra “a saúde depende do estado da mente”. Agregar a mente com coisas boas ajuda o corpo a funcionar melhor, ajuda a vida a funcionar melhor. Tentar cuidar de mim de novo é uma forma de tomar as rédeas da minha vida de novo, e eu gosto disso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.