Do amor e outros demônios

Não por ser meu escritor favorito, mas Gabriel García Marquez foi muito feliz ao escrever o romance “Do amor e outros demônios”. Ele conta sobre a história da filha de um marquês importante que foi mordida por um cachorro e contraiu raiva, completamente rejeitada pela família ela foi criada entre os escravos e seus orixás da fazenda de seu pai. Tudo foi feito para que o diabo saísse do corpo da menina por um padre que tenta exorciza-la e acaba se apaixonando por ela. Deus e o diabo, o bem e o mal.

Talvez essa história de García Marquez ainda esteja bem presente entre nós, o amor ainda é visto como aquele que une opostos, mais que isso, ainda é visto como uma abominação. Nossos doentes olhos ainda insistem nessa separação entre o bom e o ruim, luz e trevas. Por quê? Não há uma só alma pura presente nesse mundo que se encaixe nos requisitos de perfeição que buscamos. Somos seres complexos, com n dimensões emocionais e não nos encaixamos nessa separação.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.