Empty.

Dia após dia, hora após hora, até mesmo os minutos e todos os seus segundos, o tempo não para. Não acho que isso seja ruim, faz parte do crescimento, não é mesmo? É o que eu venho repetindo, e dessa maneira, passou quase mais um ano sem você.

Eu queria sentir novamente o calor do sol na pele e sorrir, me sentir em paz por isso. Sentir a felicidade de abrir os olhos com você aqui dentro, lembrar das coisas com carinho, construir todos aqueles sonhos, ou até mesmo voltar a sonhar, quem sabe. Todos os dias, uma aventura diferente.

Desde que você se foi, vem sido difícil, é como se tudo fosse passageiro, e não que as coisas não sejam, mas com você as memórias costumavam ser mais doces, e mesmo quando eu me lembrava, tudo ainda parecia estar intocado, vivo, no mesmo lugar. Tudo costumava ter sentido, e mesmo que não tivesse, a gente nunca deixaria passar em branco, todos os dias eram longos, e pelas noites, jurava que talvez, tudo fosse infinito. Agora, os dias simplesmente passam, sem nem ao menos deixar rastro. E se eu me der o direito de pensar sobre, me encontrar seguindo o calor deixado no rosto pelas lágrimas, tentando encontrar força e coragem pra seguir em frente, afinal de contas, um dia após o outro, não é assim?

Eu queria saber como ficar, como levar adiante, como me portar, como sorrir, sentir, conversar, e inclusive me cuidar. Queria muito. Queria me sentir importante novamente, confiante, seguir em frente e não ter mais esse medo de continuar só, não procurar mais em outras pessoas, em outros gostos, me contentar com metades, por medo de ficar sozinha ao todo. E de verdade, espero encontrar logo, mal vejo a hora, porque desde que eu me perdi, as coisas têm sido assim, cada vez mais vazias.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.