Como discipinar os filhos

Quando recebi a proposta de escrever sobre como disciplinar os filhos, confesso que fiquei meio receosa. Perguntava-me como? Logo eu, que tenho em casa uma criança hiperativa, e com défice de atenção, que nunca pára quieta e está sempre aérea!

Mas o esse era o desafio.

Este tema parece simples, mas pela forma que se apresenta, é bastante complexo e vasto. Passam dias, anos e épocas, e a forma de lidar com os filhos, apresenta aspectos comuns, mas muito se tem adaptado, por força do avanço tecnológico.

Os tempos mudaram, sem dúvida. A educação que os nossos avós e pais davam, hoje podem não resultar totalmente com as crianças. Hoje é preciso inovar, ser criativo ate “corromper” se necessário, para manter a criança nos padrões que queremos, do que achamos certo ou errado.

De uma busca pelos mais diversos sites na internet e também algumas vivências de pessoas a mim próxima, consegui agrupar ou listar um vasto numero de técnicas para ajudar na disciplina dos filhos. Mas antes é preciso entendermos que a disciplina deve ser imposta desde bebé e deve ser continuada ao longo das várias etapas da vida de cada um.

Devemos ainda saber que os meios de disciplinar não funciona igual para todas asCrianças.
Por exemplo, o site WikiHow apresenta uma excelente matéria sobre “como disciplinar os filhos sem usar a força, sem bater”. Bater é bater, não existe meio bater.

1° bater ou não tem que ser uma opção, uma decisão dos pais da criança.

2° esta opção deve ser informada a todos os que estão directa ou indiretamente ligados à criança. Isto vai evitar que outros venham a usar de força com o seu filho;

3° diversificar, nas técnicas e associar a decisão do não bater.

4° Estabelecer regras e partilhá-las com a criança. Poucas regras de cada vez, para não confundir a cabeça da criança e ao fim ao cabo nenhuma regra ser cumprida.

5° para cada regra cumprida estabeleça uma forma de recompensa. E um castigo por cada regra quebrada.

6° defina limites e explique as consequências de ultrapassar os limites. Por exemplo, explicar à criança o porquê dela não poder sair de casa sozinha ou não falar com desconhecidos. Que pode vir um estranho, a levar e nunca mais poderá ver a mãe, ou o pai.

7° Inclua a criança, em casos em que ela já fale e entenda minimamente as coisas, na definição das regras, dos limites, das recompensas e dos castigos.

8° Crie padrões fixos (rotinas). Não dá para irmos trocando sempre as nossas decisões perante as Crianças. Se por exemplo decidimos que é às 19horas que devem ir para a cama, é as 19 que tem que ser todos os dias. Todas as excepções devem ser devidamente explicadas. Por motivo de uma festa, ou uma saída familiar. Explicar às crianças que naquele dia apenas, poderão dormir mais tarde. E estabelecer a hora.

9° desaprovar as condutas erradas sem usar palavras negativas ou depreciativas. Exemplo, a uma criança que agrida a outra, em vez de dizer criança feia ou má, devemos dizer, não faça isso, ou não morda. Assim estaremos a desaprovar a conduta (Atitude) e não a criança;

10° seja firme. Quando for a dar uma ordem, ou chamar atenção a uma Criança, faça-o sempre olhando nos olhos e com voz firme. Demonstre segurança e autoridade.

11° use a tecnologia a seu favor. Facto, os computadores e video games estão entre nós e não vão deixar de fazer parte. Então porque não usar isso a nosso favor? Igualmente como com os demais, estabeleça horários. Se quebrar alguma regra, inclua nos castigos ficar sem jogar ou brincar ao computador.

Podem ser listadas muito mais, mas fico-me por estas.
Inicialmente já tinha alertado, sobre a dimensão e controvérsia deste tema.
É portanto inesgotável.

Sónia Munete

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.