Intolerância se combate com boa música.

Em 2010 eu fiz um experimento em cima de "Ando Meio Desligado" dos Mutantes.

Além de um mashup com o Datarock— FaFaFa, fiz também uma versão Funk.

Sempre disse que toda música combina com toda música. Todo estilo combina com todo estilo.

E já que a música tava lá certinha, no bpm e talz, coloquei uma batida funk embaixo da original.

Sim, podem me crucificar, mas provei meu ponto. Mutantes "casa" com Funk Carioca.

Tá aqui a prova. O bpm de aproximadamente 132 faz isso com a original.

Muito bem.

Aí mês passado, com o link do Soundcloud fora do ar dessa versão, uma pessoa entra no meu blog e faz o seguinte comentário:

Nem gastaria meu tempo respondendo, mas resolvi responder. Muito intolerante e preconceituoso da parte dele/dela um comentário desses.

O mashup pode ser a pior merda de todos os tempos, mas o problema não é esse.

O problema é essa cabeça pequena do "não ouvi e não gostei" que tá explícita no comentário.

E a falta de bom senso além de um mínimo de civilidade para "deixar prá lá" alguma coisa.

Uma música.

Um mashup.

Não vale tanto ódio destilado assim né?

Muito gratuito da parte da pessoa.

Então respondi isso:

Oi,
Sua sorte acabou de mudar…
Postei novamente a versão.
O link está ON.

Vc tem razão em um ponto, é realmente a bagaceirice brasileira, é, conforme vc acredita, uma armadilha.
A versão nem tá lá essas coisas, tá tosca, mas veio de um projeto que fiz de um mashup com o Datarock. Então é mais pra provar que qualquer estilo casa com qualquer estilo (tecnicamente) do que algo sensacional que deva ser divulgado aos quatro ventos como a grande sacada mundial.

Agora, gostaria de entender uma coisa.
Na verdade, duas coisas.

Primeira — Porque você gasta seu tempo indo atrás de tosqueira? Ou melhor, do que vc considera tosqueira? Vale perder esse tempo de entrar num blog, tentar dar um play, não funcionar e tentar esculhambar tudo num comentário? Acredito que existam coisas mais legais pra se fazer, pra se ouvir, do que ficar desmerecendo um trabalho, qualquer que seja, bom ou não (na sua opinião). Sei lá, só uma opinião minha aqui, já que vc deu a sua no comentário…

Segunda — Você usa muito esse conceito de “Não ouvi e não gostei”? Pergunto porque isso abre um precedente muito ruim pra você e pra todo mundo com quem você interage. Essa falta de abertura sua para algo diferente é preocupante, não só musicalmente falando, mas isso se alastra para outras partes da vida, como visão política, educação, interação social e muito mais. Repense um pouco antes de falar “não ouvi e não gostei”.
Só porque a palavra “Funk” está no nome do post não significa necessariamente que é algo ruim.
Aliás, “Funk”, aquele carioca, tem bastante coisa legal.
Mas você provavelmente nunca ouviu, até porque nem quer se dar ao trabalho de ouvir, de se informar sobre algo diferente daquilo que você acredita e gosta.
Mas nem precisa ouvir funk, vai ouvir, já que vc gosta tanto do funk americano, um pouco de Afrika Bambaata.
Não é Funk, mas é americano, é Black Music de lá. Que nem o Funk do James Brown.
É do Afrika Bambaata que veio o Funk Carioca.
Aliás, vai um pouco mais longe e ouve Kraftwerk.
Não é americano, é alemão, mas é a base do Afrika Bambaata e consequentemente do Funk Carioca.
Veja só que coisa.

Mas, se o lance do “Não ouvi e não gostei” continuar, daqui a pouco você tá falando “não pedi sua opinião e não gostei”, como provavelmente vc deve estar pensando nesse momento em que lê (se é que chegou até aqui) essa minha resposta ao seu comentário.
E isso é um dos grandes problemas do Brasil atualmente.
Esse preto/branco, esse sim/não, sem um cinza ou um talvez no meio.
Intolerância.
Começa assim.

Divirta-se na vida, não é bacana ficar carregando esse ranço todo.
Abraços e sucesso.

__________________________________

Certeza que ele não vai ler. Quando fez o comentário colocou o seguinte e-mail como recipiente da mensagem:

detestoessepovoquequerserhype@mashupehruimquedoi.com

Mas é isso né? Quem escreve e fala o que quer está sujeito a ouvir ou ler o que não quer.

Se bem que se ele ouvisse Afrika Bambaata ou Kraftwerk seria bem legal. Unica e exclusivamente prá ele. Eu já ouço faz tempo.

Tá aqui o link do Kraftwerk no Spotify então. É só clicar e dar play.

:)

Tudo de bom,

Billy.