Realidade Virtual — Quem leva meu dinheiro?

Oculus Rift, Playstation VR, HTC Vive, Samsung Gear, Google Cardboard, etc, etc, etc.

A quantidade de óculos e periféricos para Realidade Virtual cresce a cada dia, e aí fica aquela pergunta:

“Qual é o mais legal?”

Ou, melhor ainda:

“Quem vai levar a minha grana?”

Vamos focar nos 3 principais que podem ser comparados atualmente, o Oculus Rift, o Playstation VR e o HTC Vive.

O Samsung Gear VR e os Google Cardboards são para uso com celular, uma plataforma diferente, fora dessa comparação.

__________________

No geral os 3 são bem parecidos tecnicamente. O refresh rate é de, no minimo, 90 Hz (garantia de não termos enjôo), as telas tem resolução de 1080 x 1200 em cada olho (o Play4 tem 960 x 1080), o campo de visão é de 110 graus (Play4 100 graus, pequena diferença mesmo, quase imperceptível), e as conexões são parecidas (HDMI e USB).

As diferenças na verdade são mais em preço, peso e o que vc tem que ter em casa pra usar.

Peso parece uma bobagem. Mas imagina ficar com algo pesadão preso na sua cabeça por mais de meia hora…

Vamos lá.

__________________

HTC Vive

Bom, pra usar o HTC Vive vc precisa, além do óculos e seus periféricos, um PC (sim, Mac ainda não. Sem perspectiva de “quando”) com uma GPU bem parruda. Ou seja, além do óculos e da assinatura da Steam vc precisa de um computador dos bons.

Bom e ruim ao mesmo tempo. Apesar do preço alto no primeiro momento, a chance de se desenvolver algo mais aberto pode fazer a tecnologia desenvolver mais rápido do que os outros dois.

Preço — US$ 799 (óculos com 2 controles)

Peso — 555 gramas

__________________

Playstation VR

Para o Playstation VR o esquema é diferente. Você usa o Playstation 4 para a coisa toda acontecer. Ou seja, quem já tem o aparelho já sai na frente em custo e benefício.

Jogos? Um monte, pelo menos em fase de lançamento e desenvolvimento.

Aplicativos? Ainda pouca coisa, mas também todos os outros ainda são bem incipientes no assunto.

Falta passar o primeiro estágio do “entretenimento legal” para o “tecnologia sensacional e indispensável”.

Se vc puxar pela memória, o iPhone quando surgiu era hype, divertido e fácil de usar, mas não era “páreo” para o Blackberry, que era quem mandava na época em termos de gadgets portáteis.

Aplicação para uso da realidade virtual tem aos montes. Não só joguinhos e montanhas-russas. Dá pra usar RV em várias outras indústrias, da medicina até o turismo, passando pelo ramo imobiliário e outros mais que a gente ainda nem imagina.

Preço — US$ 458 (com a câmera inclusa, sem os controles PS Move)

Peso — 610 gramas

__________________

Oculus Rift

O Xbox One é a plataforma pro Oculus Rift, ou então um computador bacanudo também. Se vc já tem um Xbox One em casa é uma mão na roda, você só gasta com o óculos e os periféricos.

Mas, também, já se especula no mercado o lançamento do Xbox 1.5 ou do Playstation 4.5, versões melhoradas dos aparelhos, mais focados em VR. Por enquanto só especulações.

Preço — US$ 599 (com um controle Xbox)

Peso — 470 gramas

__________________

Resumindo.

Vale pensar no que vc tem em casa ou naquela sua vontade antiga de querer comprar algum desses aparelhos.

Tem um PC legal? Tenta o HTC ou o Oculus.

Playstation?

Xbox One?

Mas, pensando por outro lado, a gente tende a superestimar os primeiros dois anos de lançamento do produto (“nossa, RV vai ser o maior mercado de entretenimento até 2018”) e subestimar o que pode acontecer em 10 anos.

Aí, mais ainda, vem as perguntas:

-Qual deles é o melhor custo x benefício para daqui no máximo 2–3 anos?

-Qual deles eu vou jogar fora por obsolência? Vale gastar mais nesse primeiro momento?

-E para qual plataforma darei todo meu suado dinheiro para sempre (pensando que a gente se apega ao que tem e é difícil mudar depois, por costume, comodidade, dinheiro investido, etc)?

-Prá fechar, principalmente, onde estará a Realidade Virtual daqui 10 anos?

Uma ajuda. Aqui vão links da lista de games disponíveis para cada um dos óculos até o momento (via IGN):

HTC

Playstation VR

Oculus

Vamos acompanhar…

Tudo de bom,

Billy.