Bienal do Livro — SP

No final de semana passado eu fui para São Paulo na Bienal do livro. Foi a primeira vez que fui na Bienal e tenho certeza que parecia uma criança numa loja de doces, tudo me intrigava e chamava a atenção. Como eu disse na introdução o post demorou para sair

Enquanto pensava no que escrever, acabei lendo alguns relatos e num deles dizia que se a Bienal quiser continuar existindo, deverá repensar seu formato; confesso que até concordei um pouco com o texto. Quando você fala em Bienal, não consegue ter uma visão formada sobre ela. O que deveria acontecer numa Bienal? Será que é um lugar para conhecer os escritores e podermos ter um contato com eles? Ou serve para termos contato mais direto com as editoras? E esse contato com editoras, é para comprar livros com preço de custo ou fazer parcerias?

Enfim, para mim, todas estas questões estão certas.

E preciso dizer que não fui sozinha, estava acompanhada de três meninas maravilhosas, que me orientaram os dois dias (já que elas estavam indo desde o primeiro dia). Mas mais que isso, por uma delas tem contato direto com editoras e fazer parceria com muitas delas eu pude ver como as mesmas são mais abertas ao público do que imaginava.

Por isso, digo que amei a Bienal! Livros baratos, escritores por todo o lado, editoras disponíveis para diálogo e o melhor, gente comprando livros! Porque, por mais que o livro seja de um youtuber, é livro. Por mais que eles tenham escrito os tais livros, ou não, os jovens estavam fazendo filas em estandes para comprarem e pegarem seus autógrafos. E eu prefiro acreditar que isto é um meio de atraí-los para a leitura, do que apenas comércio.

Quanto os preços e livros à venda. Era preciso ficar de olho, frase de uma de minhas amigas: “tem lugar que os preços estão a metade do dobro”, e infelizmente era verdade. Nem todos os estandes estavam lá para um diálogo justo, estavam para lucrar. Mas vou deixar essa parte de lado, prefiro falar dos livros que comprei por R$10,00. Estes sim me deixaram animada! Queria ter comprado muito mais, lógico, mas como dias era a minha primeira vez lá e eu não sabia o que esperar. Não havia guardado tanto dinheiro.

Este post parece estar uma bagunça, de tanta coisa que eu queria falar, mas esta é a melhor maneira de exemplificar a Bienal do livro. Cada canto que você olha está tendo um evento diferente. E além do que já falei, também tinham estandes com debates, bate papo e pelo corredores tinham pessoas mostrando o seu trabalho (fiquei contente ao ver tantos autores novos, desconhecidos, e que tem tanto potencial, desejo a todos muito sucesso!!!), sem contar que ouvi música ao vivo. Sim, voltarei à Bienal, porém terei que ir mais de dois dias para aproveitar de verdade. E ainda tem muito mais que eu queria contar, mas vou falando nos próximos posts por aqui.

E sobre as meninas que estavam comigo, já agradeci uma vez, mas ainda não foi suficiente.

Eu não as conhecia pessoalmente, apenas virtualmente de um grupo de whatsapp que foi criado para se discutir livros, mas acabou virando uma família dividida em vários cantos do Brasil. E para agradecer, nada mais justo que divulgar os blogs delas:

SALADA DE LIVROS — OBSESSÃO LITERÁRIA — MINHA VIDA FICTÍCIA

MaHelbig
Do blog: Tertúlia Cult

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.