As dificuldades de ser eclética

Eu gosto de muita coisa, gosto de comida, de cerveja, de música, de cinema, de dança, de estar com meus amigos…

O problema não é gostar dessas coisas, afinal quase todo mundo deve gostar também, a situação complica quando você gosta de diversas variações dessas coisas.

Comida por exemplo, gosto de praticamente todas, única exigência é que seja bem feita. Não há massa, doce, vegetal ou animal que me escapem. Sério, eu amo bife de fígado, assim como amo batata frita ou tapas de jamon serrano. Agora imaginem a dificuldade quando tenho que escolher onde comer, ou pior, filtrar o que colocar no meu prato quando estou no restaurante.

Outra relação difícil é com a música, eu realmente amo música, amo sentir, cantar e interpretar as minhas músicas prediletas. O meu coração esquenta e se enche de amor com as doces poesias da mpb, os pelos da nuca arrepiam e meu corpo se requebra inteiro com o batuque do samba, afasto todos os meus demônios berrando ao som do rock, sem falar que incorporo um tipo de Beyonce e bato cabelo loucamente quando ouço pop, funk, hip hop ou qualquer outra batida dançante.

O mesmo se estende aos meus relacionamentos, tenho minha família, amigos de infância, do ballet, da faculdade, do primeiro emprego, do segundo, do atual e os que nem sei direito como entraram na minha da vida mas para minha sorte ficaram. Cada núcleo tem um jeito e gosto diferente, o que raramente possibilita mistura-los.

Eu sou easy going, me chamam para o samba do sol eu digo, opa vamos sim! Me chamam para o festival de rock e eu digo, claro, eu amo uma banda que vai tocar lá, me chamam para aquela balada cara e eu vou por que vai ter bebida boa e gente bonita (mesmo sendo gente coxinha e vazia). Me chamam para aquele rolê roots com bebida ruim e gente esquisita, topo, acho gostoso ser livre. Me chamam para tomar cerveja no boteco sujinho da esquina, eu vou por que aquece o coração.

Por conta disso minha agenda nunca tá livre, vivo sempre cheia de planos, faço um malabarismo danado administrando o tempo e a grana para ir em todos os eventos que quero. Parece louco a pessoa ter os próximos 6 fins de semana já programados sem espaço para incluir mais nada, mas te garanto que já é uma evolução para mim.

Antes eu realmente estava em todos os eventos. Já cheguei a ir em 3 aniversários de amigos diferentes em um mesmo sábado, gastando energia e dinheiro com entrada, taxi ou estacionamento em cada um deles, no fim do dia sequer me divertia de fato pois ficava preocupada em chegar no evento seguinte.

Faz um tempo que eu comecei a trabalhar o não, percebi que precisava fazer as coisas com mais calma e então vi que tenho muita necessidade de ficar só. Quero ficar na minha casa, ela é tão gostosa, tenho vontade de cozinhar para mim, de ler pra mim, de dançar na sala, de me olhar no espelho. Talvez alguns amigos tenham se afastado depois disso, mas tudo bem, os que gostam mesmo de mim entendem cada vez que eu digo que não posso ou não quero, nem por isso esquecem de mim e deixam de querer estar comigo.

Minha ecleticidade me possibilita vivenciar a diversidade, ser livre para experimentar tudo, conseguir me divertir em quase todos os lugares com qualquer pessoa interessante. Não tem nada de errado nisso. Gosto de gostar da vida e de tudo que ela pode me oferecer.

Eu só não vou mais deixar as necessidades dos outros acima da minha, eu topo qualquer programa a qualquer hora, mas só topo se já não tiver planos comigo mesma.

Like what you read? Give Maiara Pedroso Maia a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.