Ter e dar

Cada um dá aquilo que tem.

E o que temos é um montante de tudo que recebemos ao longo da nossa trajetória.

Nós somos capazes de transmutar aquilo que recebemos em algo diferente e optar por dar o produto disso ou não.

Dependendo do seu grau de aprendizado e evolução você pode sim dar “coisas boas” mesmo que só receba “coisas ruins” e pode também fazer tudo ao contrário.

É fácil entender casos de pessoas que não tiveram nada além de violência, desamor e miséria e ainda assim conseguem ser pessoas genuinamente boas. É fácil também entender o contrário, pessoas que tiveram muito amor, poucas dificuldades, informação que são sádicas e maldosas.

Talvez você tenha certeza que é uma pessoa boa e na verdade é bem filho da puta com muita gente. Talvez sendo uma pessoa boa para a maioria você acabe sendo uma pessoa ruim consigo mesmo.

Podemos relativizar o bom e o mau, podemos sempre nos justificar quando cruzamos essa linha, somos muito bons nisso inclusive.

Dentro de mim eu sei que há o bem o e o mal, afinal eu recebi muito dos dois. Eu reconheço cada sentimento meu, respeito igualmente toda a minha bondade assim como respeito a minha maldade.

O fato é que você pode ser feliz sendo bom e você pode ser feliz sendo ruim. E olha que louco, você pode ser infeliz dos dois jeitos.

Ser boa é uma questão de decisão, assim como muita coisa na vida. Eu opto diariamente por mandar amor e bondade para o mundo, mas erro muitas vezes também, e por isso eu me desculpo.

Então só me resta tentar melhor e mais forte sempre. Tentar não perder minha doçura nesse mar de azedume que é a vida na terra.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.