Solitude

Faz frio,


E você se põe a dormir do meu lado, mergulhada na inocência do sono enquanto respira vagarosamente. Respira. . . Inspira . . .. observo esse ritual de sobrevivência enquanto te finto dormir, entregue na suavidade cósmica de um sono leve. Seu gesto é delicado. Seu rosto encoberto, como se isso te protegesse de algo – talvez do meu egocentrismo ou do ar gélido agressivo emitido pelas hélices do ventilador.


Faz frio,

E eu não saberia lidar com ele caso você não esquentasse o lado esquerdo dessa cama nesse pequeno apartamento onde se abrigam todos os nossos sonhos.

Daqui, da janela, vejo a lua. Ela deve estar com frio, assim como a gente, a diferença é que ela é solitária e triste, e nós, meu bem, somos solitude.