Que o tempo sejamos nós

E nessas horas em pleno sabado gelado de manhã, no caminho pra casa, que paro e penso que na verdade tudo que sei é o que não tenho certeza e cada segundo a mais que existo são mais momentos que não tenho como saber e ter certezas sobre as coisas, todo momento muda em frações bem pequenas.

Os orvalhos com cheiro de noite, o sol gelado de um fim de agosto, janelas molhadas em que gotículas fazem desenhos. Elas não estavam ali, ontem.

Não gosto de relógios, eles contam tudo que você não deveria contar. O tempo. Quanto mais você o conta menos ele te dá, vagarosamente estamos sem tempo.

Quando não se conta o tempo menos nos preocupamos com quem aprova ou desaprova, por falta de tempo não fazemos tudo aquilo que achamos ser perda de tempo ou tenhamos vergonha de fazer por gastar tempo demais contando.

E você já parou pra pensar que pensar é contar demais sem se mexer? E que escrever ouvindo uma música na mesma linguagem que se escreve é um exercício de concentração maior do que qualquer coisa?

Sentido? Buscar por algo tem um sentido para seguir, mas eu prefiro não fazer sentido nenhum para que cada momento que muda sem contar o tempo que gasto buscando um sentido, faz mais sentido que os momentos em que sou controlada por um simples ponteiro.

Os sábados são os melhores dias, em que o relógio não faz parte da minha vida, não importa se é 5 da manhã acordada ou acabando de acordar, não controlar o tempo que gasto para almoçar ou ficar em qualquer aplicativo de imagens legais, por hobby fazendo pastas em cima de pastas pra exatamente, nada…

E quanto tempo passo esperando pelo ônibus que demora mais e me deixa mais perto do meu destino, você já parou pra pensar que são bem pouco os minutos que passa esperando o próximo trem, é muita pressa num mundo cheio, relógios que manipulam todo tempo que você poderia estar gastando com exatamente nada, e se divertindo ao observar a árvore que se move mesmo sem vento, os postes que não têm lâmpada em uma rua de um caminho alternativo que demora mais porém tem numerosas diferenças a se observar, fugindo da mesmice de sempre que você anda vivendo.

Pode parecer bem clichê, mas fazer tudo igual todos os dias não lhe traz conhecimento algum, é necessário abastecer seu arquivo de novidades para que a partir dele você crie coisas novas a todo momento.