Eu, que nunca pensei que meus relacionamentos pudessem durar mais que três meses.

Eu, que não achava que poderia levar outro alguém tão a sério, a fundo e a tudo.

Eu, que amo tanto, todas.

Eu, que pouco sei dar carinho e muito insisto em reclamar.

Eu, que sempre fui de me apaixonar, mas quase nunca de permanecer.

Eu, que não acreditava e não acredito ainda em “para sempre” ou em qualquer coisa do gênero.

Eu, que sou cética de tudo e você, que não para nunca de tentar entender todos os porquês.

Você, que por muito tempo escolheu esperar.

Por mim, que ironia!

Você, que levava tudo tão à sério e a fundo.

Você, que ama muito todo mundo, que abraça, beija e dá carinho.

Você, que em toda impaciência é positiva e, calma!, vai dar tudo certo no fim.

Você, que nunca antes tinha se apaixonado, mas que soube rápido o que era e que devia, sim, se entregar àquilo.

Obrigada! Eu amo muito amar você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.